Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 11/10/2019

Testemunhar com mansidão e pobreza, pede Papa a capuchinhos das Marcas

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563

No encontro com os religiosos, o Papa Francisco falou antes de tudo do chamado de Deus, recordando que Ele chama em um modo diferente e de várias maneiras. E o faz convidando à conversão em todos os momentos, que é uma escolha forte, uma decisão que envolve o consagrado e o leva em frente no caminho da vida.

Um dos riscos com o qual se pode deparar, caso não se deixe envolver e ser questionado por Deus, é a “acidez religiosa”, da qual deriva a infelicidade. Os consagrados tornam-se assim, “colecionadores de injustiças”, segundo o típico comportamento de quem sempre se sente vítima e, portanto, cai nas contínuas lamentações.

Santa Teresa de Jesus – recordou a este propósito Francisco – alertava as monjas para a tentação de se considerarem objeto de injustiças. Trata-se do “adagio lamentoso”, um comportamento que deve ser combatido precisamente com a conversão. Entrar em comunidade significa, portanto, preparar-se para passar de conversão em conversão, porque isso leva à humildade.

Testemunhar Cristo com mansidão e pobreza

Francisco enfatizou novamente a importância de falar não recorrendo a adjetivos, mas com a teologia dos substantivos, como bem indica o espírito franciscano.

Outro tema abordado foi a missionaridade, tema vinculado à falta de vocações. Com a consagração – disse o Pontífice – não se deve pensar mais em si mesmos, mas em viver como testemunhas. Certamente, não devemos fazer proselitismo, mas pregar Jesus mais com a existência do que com palavras, como o próprio Francisco de Assis recomendou a seus irmãos.

Não por acaso, também Santos contemporâneos como Teresa de Calcutá, tinham um respeito unânime por parte dos crentes e não-crentes, justamente graças ao seu testemunho.

Neste sentido, o Papa convidou os capuchinhos a oferecerem esse testemunho com mansidão, mas sobretudo com a pobreza, que deve ser vivida na prática, sem esquecer que o diabo entra precisamente pelos bolsos, ou seja, pela falta de coerência com o voto de pobreza. Ela – dizia Santo Inácio de Loyola – deve ser “mãe e muro” da vida religiosa.

O espírito mundano prejudica a Igreja

Francisco alertou contra o mundanismo no qual a Igreja às vezes escorrega. O espírito mundano faz mal à Igreja, tanto que Jesus em sua oração pede ao Pai não para nos afastar do mundo, mas do espírito do mundo que arruína tudo e provoca falsidade. Para combater este mal, é necessária a humildade.

Outra tentação para a Igreja é o clericalismo, filho do mundanismo. É isso que corre o risco de transformar os pastores de servos em senhores. É necessário por isto – ressaltou o Pontífice – redescobrir e retomar a estrutura de serviço dentro da comunidade eclesial.

O Papa então convidou os capuchinhos a viverem sua Regra com naturalidade, aceitando os outros e respeitando-os. A comunhão fraterna se realiza naturalmente, não é criada artificialmente. É uma graça do Espírito Santo e se nutre do perdão.

Deus nunca se cansa de perdoar

A este propósito, Francisco falou da misericórdia. Deus – recordou ele – nunca se cansa de perdoar; somos nós que nos cansamos ​​de pedir perdão. O Pontífice recordou dois exemplos neste sentido: o primeiro é o de um capuchinho idoso que morava em Buenos Aires e que, pensando no perdão e na absolvição concedidos a muitos fiéis que faziam fila em seu confessionário, afastava a dúvida de ter sido muito misericordioso indo diante do altar e dizendo a Jesus que ele mesmo havia lhe dado o exemplo; a segunda é a do padre Felice, retratado por Alessandro Manzoni nos “Promessi sposi“, sinal de uma misericórdia concreta entre os necessitados e os pecadores.

Nas palavras de Francisco, ressoaram também a exortação para redescobrir a compaixão e a capacidade de chorar.

Europa, um continente a ser evangelizado

Também não faltou uma referência à necessidade de evangelizar a Europa, que de “mãe” tornou-se “avó” e não é mais capaz de gerar filhos na fé. As jovens Igrejas podem ajudar o Velho Continente a reacender as brasas da fé que ainda queimam. Basta considerar o testemunho de muitas mulheres filipinas que trabalham a serviço das famílias mais ricas. Elas são escolhidas para encargos e tarefas bem precisas, mas em seu diálogo diário com as crianças e jovens dessas famílias, acabam transformado-se de fato em verdadeiras catequistas.

O Pontífice concluiu o encontro deixando aos capuchinhos a missão de iniciar processos de testemunho aos jovens, que ainda ficam admirados com o espírito franciscano e se abrem diante do carisma da alegria e da simplicidade que o exemplo de São Francisco oferece em todos os tempos.

Via Vatican News com L’Osservatore Romano

Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy course
download micromax firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.