Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 07/12/2016

STF deve julgar hoje aborto em casos de infecção por Zika

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve iniciar nesta quarta-feira, 7, o julgamento da ação direta de inconstitucionalidade (ADI 5581) que inclui o pedido de interrupção da gravidez como uma possibilidade excepcional para mulheres infectadas pelo vírus Zika. O diagnóstico, durante a gestação, está associado a casos de microcefalia e outras malformações fetais – sobretudo quando identificado no primeiro trimestre de gravidez.

O documento foi protocolado e levado à Corte pela Associação dos Defensores Públicos (Anadep), que questiona as atuais políticas públicas voltadas para gestantes e crianças vítimas da epidemia do vírus no Brasil. O principal argumento trata do sofrimento e do impacto emocional a que as grávidas infectadas pelo Zika são submetidas, além da defesa de que o aborto é uma questão de saúde pública e bem-estar.

Como se trata de algo novo, ainda não se conhece exatamente a relação entre o zika vírus e a microcefalia. Segundo uma pesquisa divulgada em maio deste ano na revista médica americana New England Journal of Medicine, um bebê infectado com o vírus têm o risco entre 1% e 13% de ter a microcefalia.

Os especialistas ainda desconhecem a magnitude dos riscos, uma vez que mulheres infectadas pelo Zika têm dado à luz crianças saudáveis.

Direito à vida

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirma compreender a aflição das gestantes envolvidas nesse cenário e defende que elas sejam amparadas, mas reforça que a epidemia não justifica tirar o direito à vida dos bebês nascituros.

“O posicionamento da CNBB continua o mesmo, de defesa da vida. Nos chama a atenção a dificuldade de acolhimento dessas crianças. O que devemos fazer é chamar a sociedade para ser presente na vida dessas mulheres e crianças. Existe um descuido geral e temos que retomar essa questão da necessidade de combate ao mosquito”, disse o secretário-geral da entidade, Dom Leonardo Steiner.

“Ele não transmite só Zika, então, todo cuidado é pouco”, enfatizou o bispo.

O presidente da Associação Nacional de Cidadania pela Vida, José Miranda de Siqueira, defende que descriminalizar o aborto é uma estratégia que consiste em “legitimar o que é útil para justificar um comportamento marginal”.

Ele lembra que a vida no ventre materno encontra-se sob proteção da Constituição e cobra que o Estado se posicione de forma protetora e fomentadora em prol do nascituro. “A inviolabilidade do direito à vida é uma causa pétrea”, argumentou. “Temos a prioridade da proteção à vida do nascituro contra o direito de livre escolha da gestante”, completou.

Por Canção Nova, com Agência Brasil

Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
online free course
download intex firmware
Free Download WordPress Themes
udemy course download free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.