Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 26/11/2020

Regionais da CNBB iniciam articulação da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021

6627f758-fb92-483b-98c6-72346bc5c6ac-990x557-1-oyxzyvn8u77n5g8biw2r7ethl4d7dehfqvma2kd75k

Crédito: Regional Sul 1

Comissões organizadas pelos regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já começaram a se reunir para dar início a articulação da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021, que terá como tema “Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor”, e o lema “Cristo é a nossa Paz: do que era dividido, fez uma unidade”, baseado no livro de Efésios 2.14.

A Comissão do regional Sul 3, que abrange o Estado do Rio Grande do Sul, se reuniu no dia 19 de novembro, para dar início a articulação. O encontro foi assessorado pelo padre Patricky Samuel Batista, secretário executivo de Campanhas da CNBB e acompanhada pela secretária executiva da CNBB, Sandra Zambon, e por dom Silvio Guterres Dutra, bispo referencial da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sócio Transformadora do Regional Sul 3. Também participaram da reunião e integram a equipe executiva as coordenações regionais do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, da Colegiada da Iniciação à Vida Cristã e das Pastorais Sociais.

Edoarda Sopelsa Scherer, articuladora da Comissão Regional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CNBB Sul 3, reforça que a Campanha da Fraternidade Ecumênica nos provoca ao diálogo. “Isso nos impõe um exercício concreto do ecumenismo em nossas paróquias, como também o convívio fraterno com as igrejas cristãs e outras expressões de fé, enfim com a sociedade”, comenta Edoarda.

A partir da exposição da CFE 2021, os participantes do encontro apontaram alguns desafios para a vivência da Campanha no Rio Grande do Sul. Entre eles, estão o fortalecimento do diálogo ecumênico e inter-religioso, a construção da paz na diversidade e a necessidade de criar processos que fomentem sempre o diálogo.

Segundo Edoarda, outra provocação importante da CFE 2021 é reconhecer as fragilidades que impedem o exercício da unidade. “Semear a esperança de boas práticas e da convivência com a diversidade torna esta campanha fundamental para nosso tempo e para o nosso povo”, finaliza.

Para dar seqüência na articulação da Campanha da Fraternidade no Estado, o grupo agendou uma nova reunião para o dia 27/11, próxima sexta-feira. (Confira a notícia na íntegra aqui).

Sul 1

Já nas noites entre 19 a 21 de novembro, ocorreu o Seminário Estadual da V Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 (CFE-21): “Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor”, do regional Sul 1, que abrange o Estado de São Paulo. Por causa da pandemia da covid-19, pela primeira vez o evento ocorreu de forma online, com transmissão pelas redes sociais do regional. Tendo ao centro o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2,14a), não faltaram pistas de ação e o exemplo de boas práticas a serem adotadas para a realização da CFE no próximo ano.

Tendo como eixo dessa ciranda o trabalho social, literalmente presente no cartaz da CF, os conferencistas destacaram sobretudo a construção de uma caminhada, inspirada no Evangelho da Ressurreição, a partir da narrativa de Emaús. Retomando a dinâmica VER-JULGAR-AGIR-CELEBRAR, o texto-base propõe paradas para reflexão, inspiração e reação. No primeiro dia, a Secretária da 6.ª Semana Social Brasileira, Alessandra Miranda, ressaltou a necessidade de “esperançar”, de criar novas iniciativas de inclusão, mirando os três eixos do Papa Francisco e da 6ª Semana Social Brasileira: Terra, Teto e Trabalho, na “perspectiva de uma Igreja em saída, que gera perguntas e respostas”. Como lembrou o mediador e coordenador da CF do Sul 1, Antonio S. Evangelista, há uma provocação necessária inicialmente, lembrando o texto de Emaús: “Sobre o que nós falamos no caminho?”

Na segunda noite, saudados por dom Eduardo Vieira, bispo auxiliar de São Paulo, e com a mediação do Padre Antonio Carlos Frizzo, Assessor Estadual da CF, o foco esteve no eixo bíblico que inspira a CFE, uma “carta para pessoas de boa vontade em um mundo cheio de barreiras e divisões”. Inicialmente, o Padre Patriky Samuel Batista, Secretário-Executivo das Campanhas da CNBB, apresentou os objetivos para o próximo ano e os principais eixos de trabalho.

Na última noite, solidários com as vítimas da covid-19 e do racismo, os participantes foram recebidos pelo Cônego José Bizon, diretor da Casa da Reconciliação, entidade da arquidiocese de São Paulo, ponto de referência para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso. Nessa noite, também participou o Padre Marcus Barbosa, Assessor da Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso e Sub-Secretário Adjunto de Pastoral da CNBB, que apresentou diversas pistas para o diálogo e a ação ecumênica, além de lembrar que “nossa fé se desdobra em compromisso” e o “diálogo é o nosso estilo de evangelizar!”. (Confira a notícia na íntegra).

Sul 2

Nos dias 18 e 19 de novembro aconteceu o Seminário Estadual de Estudos do Texto-base Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021. O evento aconteceu de forma 100% online e foi organizado pela Comissão Estadual de Animação da CFE 2021, composta por lideranças religiosas das Igrejas membro do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs) do estado do Paraná. Participaram, conectados pelo Google Meet, 104 pessoas que se inscreveram representando as dioceses do Paraná e Igrejas do CONIC e centenas de outras pessoas acompanharam pelo canal do YouTube do Regional Sul 2 da CNBB.

O seminário contou com assessoria de Membros da Comissão Nacional da CFE2021, que trabalharam na elaboração do texto-base, seguindo a metodologia do VER, JULGAR, AGIR E CELEBRAR. O coordenador do seminário, Pe. Edivaldo Donato Bernardo, da diocese de Foz do Iguaçu, destacou que esse seminário é o primeiro passo de vivência da CFE2021: “o evento continua aberto, é um espaço de diálogo, no qual continuamos a estudar, pensar, planejar, executar e celebrar a CFE2021. Foi o início de diálogos entre Igrejas Cristãs, movimentos ecumênicos e pessoas de boa vontade, que se estenderá até o final das atividades avaliativas no final de 2021”. (Confira a notícia na íntegra aqui).

Via CNBB com informações dos regionais

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X