Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 11/04/2019

Ramos de vida

A Semana Santa começa com o Domingo de Ramos, quando Jesus Cristo, num gesto de humildade e enfrentamento, entra em Jerusalém, montado num jumento. Ele é acolhido pelos presentes, com ramos nas mãos, e abre o caminho de sua própria condenação, que culmina com sua morte na cruz. Novos tempos começam a fazer parte da história e da vida dos que acreditam Nele.

Além da expressão e da prática de humildade de Jesus, Ele cumpriu uma missão projetada pelo Pai como gesto de obediência, sem olhar para o passado, mas confiante no que estava para vir no futuro. A morte consciente e responsável é desabrochar de vida nova, a passagem do que era corruptível para uma situação e vida de incorruptibilidade, no dizer do apóstolo Paulo (I Cor 15,53).

A morte de Cristo na cruz tem um significado de grande envergadura, porque foi precedida por uma importante trajetória de conduta construída no amor, na doação, no despojamento e na fidelidade ao projeto do Pai. Podemos até concluir que, na ausência dessas prerrogativas essenciais no currículo da vida de uma pessoa, a sua morte termina no sofrimento e no vazio existencial.

Todo cenário apresentado durante a Semana Santa deve ser visto como motivador de fé. O ator principal das cenas é Jesus Cristo, Deus encarnado e feito homem, unindo humanidade e divindade com um objetivo de salvação. A Ressurreição foi o marco referencial da fé das pessoas tocadas pelos sentimentos divinos. São presenciadas cenas de doação, de humildade, mas também de violência e morte.

O destino do povo de Deus e da humanidade passa pela via da cruz, do sofrimento e do mistério benevolente do Senhor. Essa realidade deve tocar no coração e na mente das pessoas e levá-las ao reconhecimento do plano de Deus, isto é, o sofrimento assumido com consciência para gestar vida nova. A Páscoa é consequência de atitudes conscientes de doação, mesmo com a via do sofrimento.

Aquele que no Domingo de Ramos entra triunfante em Jerusalém, mas com aparência de homem simples do povo, é o mesmo que mete medo nas autoridades constituídas de seu tempo. Ele aparece com uma postura de quem serve e mostra, com isso, o critério fundamental da vida cristã. No dizer da Sagrada Escritura, Ele veio para servir e não para ser servido (Cf. Mt 20,28).

Por Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba (MG), via CNBB

Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
free online course
download intex firmware
Premium WordPress Themes Download
download udemy paid course for free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.