Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 20/07/2021

Quando a medalha da fraternidade é a mais bela

Tóquio está se preparando para as Olimpíadas marcadas pela pandemia. O ensinamento do Papa Francisco sobre o esporte como forma de fortalecer a concórdia entre os povos
Já foi chamada de “as Olimpíadas tristes”. Em Tóquio, a fim de evitar o contágio da Covid-19, não haverá espectadores nas arquibancadas dos estádios, não serão permitidos abraços entre os atletas, e os olímpicos terão que colocar suas medalhas ao redor de seu próprio pescoço para evitar qualquer possível contato. Um ano após o adiamento dos Jogos Olímpicos devido à pandemia, o Japão se prepara para viver o evento esportivo por excelência com sentimentos conflitantes: alegria e tristeza, orgulho e preocupação.
Entretanto, nestas Olimpíadas, realizadas pela primeira vez com rigorosas medidas anti-contágio, talvez possa emergir mais claramente o significado (e o valor) de um evento que, desde o seu símbolo – os cinco anéis entrelaçados – traz consigo o espírito de fraternidade e harmonia entre os povos. Uma mensagem que hoje é muito necessária, pois nos encontramos “todos no mesmo barco” e enfrentamos, com muitas dificuldades, uma mudança de época inesperada com consequências ainda imprevisíveis.

O Papa Francisco tem repetidamente sublinhado o potencial educativo do esporte para os jovens, a importância de “colocar-se em jogo” e do fair play, assim como – e ele também o fez durante seus dias no Hospital Gemelli – o valor da derrota, porque a grandeza de uma pessoa é vista mais quando ela cai do que quando triunfa, tanto no esporte como na vida. No início do ano, em uma longa entrevista com ao jornal Gazzetta dello Sport, o Papa disse: “A vitória contém uma emoção que é até difícil de descrever, mas a derrota também tem algo maravilhoso (…). De certas derrotas vêm belas vitórias, porque uma vez identificado o erro, a sede de redenção se acende. Eu diria que os que ganham não sabem o que perdem”. Em um tempo marcado por fraturas e polarizações de todo tipo, para o Papa o esporte pode ser, como ele lembrou aos atletas das Olimpíadas Especiais, “uma daquelas linguagens universais que supera diferenças culturais e sociais, religiosas e físicas, e consegue unir as pessoas, tornando-as participantes de um mesmo jogo e protagonistas de vitórias e derrotas”.

Certamente, como no recente Campeonato Europeu de Futebol e na Copa América, há a consciência de que os atletas que se alternarão na pista, no campo, não pouparão energias para vencer. Este espírito de competição também foi reforçado pela espera prolongada desde as últimas Olimpíadas, no Rio de Janeiro em 2016. Por outro lado, se Francisco expressou frequentemente seu apreço pela dimensão amadora e comunitária do esporte e por sua função social, ele sabe bem que a atividade esportiva, especialmente a nível profissional, vive no confronto e na superação do limite, antes de tudo consigo mesmo, antes mesmo dos outros.

“Mostrem as metas que podem ser alcançadas com o esforço do treinamento, que envolve grande comprometimento e também renúncias. Tudo isso – disse o Papa aos nadadores italianos em junho de 2018 – é uma lição de vida, especialmente para seus coetâneos”. Esta é a esperança de que estes Jogos Olímpicos de Tóquio sejam capazes de combinar tensão competitiva e um espírito de unidade. Superando limites e compartilhando fraquezas. Hoje, mais do que nunca, o desafio não é apenas ganhar a medalha de ouro – o sonho e meta de todo o atleta olímpico – mas também ganhar, todos juntos, a medalha da fraternidade humana.

FONTE: VATICAN NEWS

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy free download
download lava firmware
Download Premium WordPress Themes Free
udemy course download free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X