Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 26/09/2019

Por que o orgulho é o pai de todo pecado

web3-car-rage-road-fight-accident-man-woman-shutterstock-1218825484

“EU! PRIMEIRO EU! SEMPRE EU PRIMEIRO!”

Foi o que disse o homem que balançava uma arma, tendo acabado de sair de seu carro parado em um cruzamento, em um acesso de raiva que quase se tornou trágico. Uma ilustração perfeita do pecado mortal do orgulho.

O orgulho é chamado de “pai biológico” de todos os pecados capitais.

O orgulho é o pior dos pecados, porque envolve uma inversão em escala real da realidade. Se a sanidade é um ordenamento da vida de alguém em harmonia com a realidade, a pessoa sã diz: “Deus é Deus, e eu não sou Deus, portanto, devo agir de acordo com isso.” Um homem sábio dirá: “Deus é todo santo; eu não sou santo, portanto não sou agradável a Deus; preciso me reconciliar com Deus – uma tarefa que exige minha cooperação, mas que está além do meu próprio poder”. Alguém sábio estará bem disposto a ouvir o Evangelho de Cristo.

O orgulho é o pior dos pecados, porque envolve uma inversão em escala real da realidade.

O orgulho é ilusório, rancoroso, amargo. Na sua raiz, declara: “Eu não quero que Deus seja Deus! Eu quero ser Deus! Prefiro que alguém ou qualquer coisa seja Deus, exceto o próprio Deus!” O orgulho é arrogante – isto é, o orgulhoso atribui a si próprio o status, os direitos e méritos de outro. Ele procura atribuir divindade à criatura – o que seria ridículo, se não fosse tão mortal.

A mística mártir e freira carmelita St. Mariam Baouardy (Irmã Maria de Jesus Crucificado) descreve o orgulho desta maneira:

A pessoa orgulhosa é como um grão de trigo jogado na água: incha, fica grande. Exponha esse grão ao fogo: ele seca, queima. A alma humilde é como um grão de trigo jogado na terra: desce, esconde-se, desaparece, morre; mas para reviver no céu.

Não é surpreendente constatar que devemos falar sobre a humildade como remédio para o orgulho. Mas primeiro devemos ver como o orgulho é terrivelmente prejudicial – como o orgulho é uma rejeição de nosso status como criaturas limitadas, e uma rejeição de Deus que é absoluto e soberano. Considere estas observações do cardeal Sarah em uma entrevista recente.

O cardeal Sarah adverte da ruína da civilização ocidental. Enquanto os bárbaros do século IV que conquistaram Roma vieram de fora, agora os bárbaros estão dentro: “Eles são aqueles que recusam sua própria natureza humana, que têm vergonha de ser criaturas limitadas, que querem pensar em si mesmos como divindades sem pais e sem herança.”

O cardeal explica que, ao recusar a rede humana de dependência, herança e filiação, esses rebeldes são condenados a entrar na “selva da competição” em uma “economia autossuficiente”.

Rejeitar a “dependência, a hereditariedade e a filiação”: essa é a marca do orgulho. Ser uma criatura é ser dependente. Uma criatura deve admitir que não se criou e não pode se sustentar por si mesma na existência. Ela é dependente, por sua própria existência, do Ser Supremo que a criou. Consequentemente, esse Ser Supremo é digno de gratidão e adoração, por uma questão de justiça. Para essa realização, o orgulho diz: “Não!”

Ser uma criatura vivendo no tempo é ter uma herança. Devemos ser guardiões de toda sabedoria e realização dos nossos antepassados. Devemos ter em mente seus bons e maus exemplos. É inegável que, com o tempo, nossos ancestrais provaram repetidamente que homens são homens e mulheres são mulheres; essa família é o alicerce da sociedade humana; que trair Deus leva à traição do próximo e à traição de si. Posso aprender com meus ancestrais que, se desejo o que é ruim, devo reorientar meu desejo para o que é bom. Para essa realização, o orgulho diz: “Não!”

Ser uma criatura é ser filiado e afiliado. Somos feitos à imagem e semelhança do Deus que é uma pessoa – somos gerados por uma pessoa divina que é racional, livre e boa. Nossa dignidade tem origem divina. Para os cristãos, somos adotados como filhos e filhas de Deus. Por sermos filiados, também somos afiliados – somos filhos e filhas que têm irmãos e irmãs. Temos uma obrigação de justiça e caridade para com nossos companheiros – incluindo os pré-nascidos, idosos, doentes e frágeis. Para essa realização, o orgulho diz: “Não!”

Santos e sábios sempre disseram que o desenraizamento do orgulho começa com humildade – simplesmente uma constatação da verdade sobre Deus e sobre nós mesmos. Não subestime o poder da humildade. São João Climacus nos lembra: “A humildade é a única coisa que nenhum diabo pode imitar”.

Via Aleteia

Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
download redmi firmware
Free Download WordPress Themes
udemy free download

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.