Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 14/12/2020

Papa no Angelus: a alegria é a regra para os cristãos

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563-1

Alegria: esta foi a palavra predominante do Evangelho de hoje, comentado pelo Papa Francisco antes de rezar o Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro.

Este III Domingo do Advento, explicou o Pontífice, é marcado sobretudo pela alegria. O motivo é que o Senhor está chegando, está perto de nós.

“Esta é uma regra para os cristãos. Uma vez, um filósofo dizia algo mais ou menos assim: ‘Mas eu não entendo como se pode crer hoje, porque quem diz acreditar tem o rosto de funeral. Não dão testemunho da alegria da ressurreição de Jesus Cristo’. E muitos cristãos com aquela cara…Sim, cara de funeral, e tristeza. Mas Cristo ressuscitou! Cristo o ama! Pensemos nisto: ‘Estou feliz porque o Senhor está perto de mim? Porque o Senhor me ama? Porque o Senhor me redimiu?”

O Evangelho segundo João apresenta o personagem bíblico que – com exceção de Maria e José – por primeiro e mais intensamente viveu a espera do Messias e a alegria de vê-lo chegar: João o Batista.

“O Batista é a primeira testemunha de Jesus, com a palavra e com o dom da vida”, afirmou Francisco. Ele realizou a sua missão indicando Jesus como o Cristo, o Enviado de Deus prometido pelos profetas.

Sempre indicando o Senhor

Não obstante fosse um líder no seu tempo, João não cedeu nem mesmo por um instante à tentação de atrair a atenção sobre si: ele sempre orientava para Aquele que estava por vir.

“Eis a primeira condição da alegria cristã: descentralizar-se de si e colocar Jesus no centro. Isso não é alienação, porque Jesus é efetivamente o centro, é a luz que dá sentido pleno à vida de cada homem e mulher que vem a este mundo.”

O Senhor está no centro, disse ainda o Papa. Os santos, inclusive, estão fora, indicando o Senhor. “E quem não indica o Senhor, não é santo.”

É o mesmo dinamismo do amor que me leva a sair de mim mesmo não para me perder, mas para me reencontrar enquanto me dou, enquanto busco o bem do outro.

Despojar-se da mundanidade

O Papa prosseguiu recordando que João o Batista percorreu um longo caminho para chegar a testemunhar Jesus. “O caminho da alegria não é uma diversão. Deixou tudo, desde jovem, para colocar Deus em primeiro lugar.”

Retirou-se no deserto, despojando-se de todo o supérfluo para estar mais livre para seguir o vento do Espírito Santo. Para Francisco, o seu testemunho é paradigmático para quem quiser buscar o sentido da própria vida e encontrar a verdadeira alegria.

“Em especial, o Batista é modelo para os que na Igreja são chamados a anunciar Cristo aos outros: podem fazê-lo somente no distanciamento de si mesmos e da mundanidade, não atraindo as pessoas a si, mas orientando-as a Jesus.”

“A alegria é isto: orientar a Jesus. E a alegria deve ser a característica da nossa fé. Também nos momentos mais ruins, saber que o Senhor está comigo, que o Senhor está conosco, que o Senhor ressuscitou. O Senhor! O Senhor! O Senhor! Este é o centro da nossa vida. Pensem bem hoje: como me comporto? Se não tenho a alegria da minha fé, não poderei dar testemunho e os outros dirão: ‘Mas se a fé é assim triste, melhor não tê-la’.”

Rezando o Angelus, concluiu o Papa, nós vemos tudo isso realizado plenamente na Virgem Maria, pois ela esperou no silêncio a Palavra de salvação de Deus; a ouviu, a acolheu, a concebeu. Nela, Deus se fez próximo. Por isso, a Igreja chama Maria “Causa da nossa alegria”.

Via Vatican News

Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
free online course
download lenevo firmware
Download Premium WordPress Themes Free
online free course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X