Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 17/03/2017

Papa Francisco propõe 3 aspectos para um bom sacerdote confessor

O Papa Francisco propôs três aspectos para ser um bom sacerdote confessor em suas palavras aos participantes do curso anual sobre o Foro Interno promovido pela Penitenciária Apostólica da Santa Sé.

Na sala Paulo VI, nesta sexta-feira, 17 de março, o Santo Padre comentou que “a Penitenciária é um tipo de Tribunal que realmente gosto, porque é um ‘tribunal da misericórdia’, ao qual se chega para obter aquele remédio indispensável para a nossa alma, que é a misericórdia divina”.

O esforço para chegar a ser um bom sacerdote confessor, disse em seguida, dura a vida toda. O Santo Padre propôs, então, 3 aspectos para desempenhar esta tarefa da melhor forma:

1. O bom confessor é amigo de Jesus Bom Pastor

O Santo Padre explicou que “sem esta amizade, será muito difícil amadurecer aquela paternidade tão necessária no ministério da Reconciliação”.

“Ser amigo de Jesus significa primeiramente cultivar a oração, seja a oração pessoal com o Senhor, pedindo incessantemente o dom da caridade pastoral, seja a oração específica para o exercício da tarefa de confessor e pelos fiéis, irmãos e irmãs que se aproximam de nós buscando a misericórdia de Deus”.

Francisco ressaltou que “um confessor que reza que ele é o primeiro pecador e o primeiro a ser perdoado. Então, a oração é a primeira garantia para evitar qualquer atitude de dureza, que inutilmente julga o pecador e não o pecado”.

“Na oração é necessário implorar o dom de um coração ferido, capaz de compreender as feridas dos outros e curá-las com o óleo da misericórdia, aquele que o bom samaritano colocou nas chagas da vítima, pela qual ninguém teve piedade”.

Na oração, ressaltou o Santo Padre, é necessário também pedir “o dom precioso da humildade” e invocar “sempre o Espírito Santo, que é um espírito de discernimento e compaixão”.

O Pontífice explicou que “o Espírito permite nos identificarmos com os sofrimentos das irmãos e dos irmãos que se aproximam do confessionário e acompanha-los com um discernimento maduro e prudente, com uma verdadeira compaixão para com seus sofrimentos, causados pela pobreza do pecado”.

2. O bom confessor é um homem do Espírito e do discernimento

“Qual mal causa à Igreja a falta de discernimento! Quanto mal ocorre nas almas por um agir que não busca suas próprias raízes na escuta humilde do Espírito Santo e da vontade de Deus”.

O confessor, disse o Papa, “não faz sua própria vontade e não ensina sua própria doutrina. Ele é chamado a fazer sempre e somente a vontade de Deus, em plena comunhão com a Igreja, da qual é ministro, isto é, servo”.

“O discernimento permite distinguir sempre, para não confundir, e para nunca fazer ‘te toda erva um feixe’. O discernimento educa o olhar e o coração, permitindo aquela delicadeza de ânimo tão necessária diante de quem nos abre o sacrário de sua própria consciência para receber luz, paz e misericórdia”.

Francisco indicou também que “o discernimento é necessário também porque, quem se aproxima do confessionário, pode provir das mais diferentes situações e poderia ter inclusive distúrbios espirituais”.

“Sempre que o confessor percebesse a presença de reais e verdadeiros distúrbios espirituais – que podem ser também em grande parte psíquicos e que devem ser verificados através de uma sã colaboração com as ciências humanas – não deverá duvidar em se referir a quem, nas dioceses, se encarrega deste delicado e necessário ministério, isto é, os exorcistas”.

3. O confessionário é um verdadeiro lugar de evangelização

“De fato, não existe evangelização mais autêntica do que o encontro com o Deus da misericórdia”. “Encontrar a misericórdia significa encontrar o verdadeiro rosto de Deus, assim como o Senhor Jesus nos revelou”.

O Papa assinalou que no breve diálogo com o penitente que se aproxima da Reconciliação, o sacerdote confessor deveria sempre discernir aquilo que “seja mais útil ou necessário para o caminho espiritual daquele irmão”.

“O confessor, na verdade, é chamado a ir cotidianamente às periferias do mal e do pecado, e a sua obra representa uma autêntica prioridade pastoral”.

O Papa Francisco incentivou os participantes do curso da Penitenciária Apostólica a ser “bons confessores: imersos na relação com Cristo, capazes de discernimento no Espírito Santo e prontos a aproveitar a ocasião para evangelizar”.

Finalmente, o Santo Padre incentivou a “perdoar com a Mãe, perdoar com a Mãe. Porque esta mulher ou este homem que vem ao confessionário tem uma Mãe no Céu que lhe abrirá a porta e lhe ajudará no momento de entrar no céu. Sempre a Virgem, porque a Virgem também nos ajuda no ministério”.

Por ACI Digital

Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
online free course
download lenevo firmware
Premium WordPress Themes Download
online free course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X