Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 22/06/2018

Papa falou a jornalistas após visita a Genebra

Diálogo, a preocupação com os jovens, imigração. Esses foram alguns dos assuntos abordados pelo Papa Francisco na coletiva de imprensa no voo que o levou de volta a Roma após a visita a Genebra, na Suíça, nesta quinta-feira, 21. Francisco revelou que o dia foi cansativo para ele, mas se mostrou muito feliz com a viagem.

“Estou contente porque as diversas coisas que fizemos, seja a oração no início, depois o diálogo durante o almoço, que foi belíssimo, e depois a Missa, são coisas que me fizeram feliz. Cansaço, mas são coisas boas. Muito obrigado”, disse Francisco.

Perguntado por um jornalista sobre o que o marcou neste dia, o Papa respondeu com a palavra “encontro”. “A palavra certa do dia é encontro, e quando uma pessoa encontra outra e sente prazer pelo encontro, isto sempre toca o coração. Foram encontros positivos, também belos”.

Um dos temas que foram abordados no almoço, encontro que os jornalistas não acompanharam, foi os jovens. Segundo o Papa, esse foi talvez um dos temas que mais ocupou o tempo, pois todas as confissões religiosas estão preocupadas, no bom sentido, com os jovens. “O pré-Sínodo que foi feito em Roma atraiu bastante a atenção, porque eram jovens de todas as confissões, também agnósticos, e de todos os países. Pensem: 315 jovens presentes e 15 mil ligados em rede. Isto talvez despertou um interesse especial”.

Outro tema levantado na coletiva de imprensa foi o caso dos bispos alemães e a questão da admissão à Eucaristia no caso de matrimônios interconfessionais (quando um dos cônjuges é católico e o outro protestante). “Esta não é uma novidade, porque no Código de direito canônico está previsto aquilo de que os bispos alemães falavam: a Comunhão em casos especiais”, disse Francisco.

O Santo Padre repassou os dados sobre o caso e lembrou que o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Luis Francisco Ladaria Ferrer, escreveu uma carta a respeito, mas com sua autorização, não o fez sozinho, e que de fato se deveria aprofundar a situação. “Depois haverá outra reunião, e no fim estudarão o caso. Creio que este será um documento orientador, para que cada um dos bispos diocesanos possa gerir aquilo que já o Direito canônico permite”.

Refugiados

Sobre a questão dos refugiados, um dos jornalistas lembrou que também o secretário-geral do Conselho Ecumênico das Igrejas falou da ajuda aos refugiados. Francisco voltou a indicar os seguintes critérios para lidar com a situação: “acolher, proteger, promover, integrar”.

“Cada país deve fazer isso com a virtude do governo que é a prudência, porque um país deve acolher tantos refugiados quanto pode e quantos pode integrar: integrar, isso é, educar, dar trabalho… Este, direi, é o plano tranquilo, sereno dos refugiados”.

Francisco atentou ainda para o problema do tráfico de migrantes. “Os traficantes logo separam mulheres de homens: mulheres e crianças vão para Deus sabe onde…Isso fazem os traficantes”.

A paz: uma exigência

Outra pergunta levantada ao Papa foi sobre a doutrina da “guerra justa” e as chamadas “Igrejas da paz”, que são igrejas com a concepção de que se uma pessoa utiliza a violência não pode mais ser considerada cristã.

“Creio que todas as Igrejas que têm este espírito de paz devem se reunir e trabalhar juntas, como dissemos nos discursos de hoje, seja eu seja as outras pessoas que falaram. A unidade para a paz. Hoje a paz é uma exigência, porque há o risco de uma guerra…O empenho pela paz é uma coisa séria (…) Os conflitos, não precisa resolvê-los como Caim, mas com a negociação, com o diálogo, com as mediações”.

“Se a senhora diz que há ‘Igrejas da paz’ eu me pergunto: mas há ‘Igrejas da guerra’? É difícil entender isso, é difícil, mas certamente há alguns grupos, e eu direi em quase todas as religiões, grupos pequenos, simplificando um pouco direi ‘fundamentalistas’ que procuram as guerras. Também nós católicos temos alguns, que procuram sempre a destruição. É muito importante ter isso sob os olhos”, acrescentou Francisco.

O Santo Padre encerrou a coletiva destacando que este foi um dia propriamente ecumênico. “No movimento ecumênico devemos tirar do dicionário uma palavra: proselitismo. Claro? Não pode haver ecumenismo com proselitismo, é preciso escolher: ou você é de espírito ecumênico, ou você é um ‘proselitista’”.

Por Canção Nova, com Boletim da Santa Sé

Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course
download micromax firmware
Download WordPress Themes Free
download udemy paid course for free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.