Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 09/03/2018

Papa: confessor, testemunha da compaixão e da misericórdia divina

O Santo Padre concluiu sua série de audiências, na manhã desta sexta-feira, no Vaticano, recebendo cerca de 400 participantes no Curso do Foro Interno, promovido pela Penitenciaria Apostólica.

O Curso, que se realizou em vista do próximo Sínodo dos Bispos sobre a Juventude, debateu o tema sobre a “relação entre a Confissão sacramental e o discernimento vocacional”.

Partindo deste tema oportuno, o Papa fez uma reflexão sobre a “atenção que um jovem sacerdote confessor deve ter ao administrar o sacramento da Confissão, em vista de um eventual discernimento vocacional juvenil”. Antes de tudo, é preciso redescobrir – como diz Santo Tomás de Aquino – a “dimensão instrumental” do ministério da Penitência. E explicou:

“O sacerdote confessor não é a fonte de Misericórdia, nem da Graça, nem instrumento indispensável, mas sempre e somente instrumento! E quando o sacerdote se adona disto, impede que Deus aja nos corações. Esta consciência deve favorecer uma atenta vigilância sobre o risco de se tornar ‘dono das consciências’, sobretudo na relação com os jovens, cuja personalidade ainda está em formação e, por isto, muito mais facilmente influenciável”.

Logo, o confessor deve recordar-se que é apenas instrumento da Reconciliação, que não quer dizer uma redução do ministério, mas a sua plena realização. A seguir, Francisco falou sobre a dimensão de “saber ouvir”, antes de dar respostas:

“O confessor deve ser homem da escuta: escuta humana do penitente e escuta divina do Espírito Santo. Ao ouvir o irmão penitente, ouvimos o próprio Jesus, pobre e humilde; ao ouvir o Espírito Santo, colocamo-nos em zelosa obediência, tornando-nos ouvintes da Palavra, prestando o maior dos serviços aos jovens penitentes, ou seja, colocando-os em contato com Jesus”.

Quando são colocados em prática estes dois elementos, afirma o Papa, o colóquio sacramental abre um caminho prudente e orante que é o “discernimento vocacional”. Todo jovem tem o direito de ouvir a voz de Deus, seja na sua consciência seja através da escuta da Palavra. Aqui entra o acompanhamento sapiente do confessor, que se torna padre espiritual:

“O discernimento vocacional consiste, antes de tudo, em uma leitura dos sinais, que Deus colocou na vida do jovem, mediante as suas qualidades e inclinações pessoais, por meio de encontros e oração, como fez Samuel: ‘Fala, Senhor, que o teu servo escuta’.”

Desta maneira, concluiu Francisco, o colóquio da Confissão sacramental torna-se ocasião privilegiada de encontro com Deus, para o penitente e para o confessor. Assim, a vocação jamais coincide com o formalismo, mas é o contato direto, vital e imprescindível com o próprio Jesus.

Por fim, o Santo Padre recordou aos presentes as categorias que definem um confessor: “médico e juiz”, pastor e pai”, “mestre e educador”, mas, sobretudo para os jovens, é testemunha: “testemunha da compaixão e da misericórdia divina”.

Por Vatican News

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
udemy free download
download huawei firmware
Free Download WordPress Themes
online free course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.