Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 20/05/2019

Papa: “Como eu vos amei” é a novidade no mandamento do amor

“Como eu vos amei”: um amor “universal, incondicional e sem limites, que encontra seu ápice na Cruz”. Esta é a novidade no mandamento do amor, que Jesus confia aos discípulos antes de partir deste mundo.

O Evangelho de João proposto pela liturgia para este V Domingo de Páscoa, inspirou a reflexão do Papa antes de rezar o Regina Coeli com os milhares de peregrinos de várias partes do mundo presentes na Praça São Pedro, em um domingo chuvoso.

Francisco começou explicando que o Evangelho do dia nos leva até o Cenáculo, justamente “para nos fazer escutar algumas das palavras que Jesus dirigiu aos discípulos no “discurso de despedida”, antes de sua Paixão. Depois de ter lavado os pés dos Doze, diz a eles: ‘Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outro’”.

A novidade

“Em que sentido Jesus chama esse mandamento de ‘novo’?”, pergunta o Papa, recordando que “já no Antigo Testamento Deus havia ordenado aos membros do seu povo para amar o próximo como a si mesmo”.

E o próprio Jesus – acrescenta o Santo Padre – dizia a quem lhe perguntava sobre qual era o maior mandamento da Lei que “o primeiro é amar a Deus de todo o coração e o segundo amar o próximo como a si mesmo”. Então, qual é a novidade, porque o chama de “novo mandamento”?:

“O antigo mandamento do amor tornou-se novo, porque foi completado com este acréscimo: “como eu vos amei”, “amai-vos como eu vos amei”. A novidade está toda no amor de Jesus Cristo, aquele com o qual ele deu a vida por nós. Trata-se do amor de Deus, universal, incondicional e sem limites, que encontra seu ápice na Cruz. Naquele momento de extremo rebaixamento, naquele momento de abandono ao Pai, o Filho de Deus mostrou e deu ao mundo a plenitude do amor”.

Na Paixão, o ensinamento do amor total

E foi pensando na Paixão e na agonia de Cristo, que “os discípulos compreenderam o significado daquelas palavras: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outro.”

Jesus nos amou primeiro – recorda Francisco – nos amou apesar de nossas fragilidades, nossas limitações e nossas fraquezas humanas:

“Foi Ele quem nos fez dignos de seu amor que não conhece limites e nunca acaba. Ao nos dar o novo mandamento, ele nos pede que nos amemos mutuamente não somente e não tanto com o nosso amor, mas com o seu, que o Espírito Santo infunde em nossos corações se o invocarmos com fé. Deste modo – e somente assim – podemos nos amar mutuamente não somente como amamos a nós mesmos, mas como Ele nos amou, isso é, imensamente mais”.

Do amor de Cristo na Cruz brota uma força transformadora

O amor de Deus por nós – afirmou o Papa – é muito maior do que o amor que nós temos por nós mesmos. E tendo consciência disto, “podemos espalhar por toda parte a semente do amor que renova as relações entre as pessoas e abre horizontes de esperança”.

“ Jesus sempre abre horizontes de esperança, o seu amor abre horizontes de esperança ”

Um amor, que “nos torna homens novos, irmãos e irmãs no Senhor, e faz de nós o novo povo de Deus, isto é, a Igreja, na qual todos são chamados a amar a Cristo e n’Ele a amar-se mutuamente”.

“ O amor que se manifestou na Cruz de Cristo e que Ele nos chama a viver é a única força que transforma nosso coração de pedra em um coração de carne; a única força capaz de transformar o nosso coração é o amor de Jesus, se nós também amarmos com este amor. E este amor nos torna capazes de amar nossos inimigos e perdoar aqueles que nos ofenderam ”

Sou capaz de perdoar a quem me fez mal?

E o Papa faz uma pergunta, para cada um responder em seu coração:

“Sou capaz de amar os meus inimigos? Todos temos pessoas, não sei se inimigos, mas que não estão de acordo conosco, que estão “do outro lado”; ou alguém tem pessoas que lhe fizeram mal. Eu sou capaz de amar estas pessoas? Aquele homem, aquela mulher que me fizeram mal, que me ofenderam. Sou capaz de perdoá-los? Cada um responda em seu coração”.

“O amor de Jesus – completou o Papa – nos faz ver o outro como um atual ou futuro membro da comunidade dos amigos de Jesus; nos estimula ao diálogo e nos ajuda a escutar-nos e conhecer-nos reciprocamente. O amor nos abre para o outro, tornando-se a base dos relacionamentos humanos. Torna capazes de superar as barreiras das próprias fraquezas e preconceitos.”

“ O amor de Jesus em nós cria pontes, ensina novos caminhos, desencadeia o dinamismo da fraternidade ”

Que a Virgem Maria nos ajude com sua materna intercessão – foi o pedido do Pontífice ao concluir – a receber de seu Filho Jesus o dom do seu mandamento e do Espírito Santo a força para praticá-lo na vida cotidiana.

Canonesas de la Cruz

Ao saudar os peregrinos e os diversos grupos presentes na Praça São Pedro, o Santo Padre dirigiu uma cordial saudação aos responsáveis pela Comunidade de Santo Egídio, provenientes de diversos países; aos peregrinos poloneses, em particular os escoteiros, acompanhados pelo Ordinário Militar, vindos no 75º aniversário da batalha de Montecassino, mas também às “Canonesas da Cruz, no centenário de sua fundação”.

A Congregação foi fundada em Lima em 1919 por Madre Teresa da Cruz (no século, Teresa Candamo Álvarez-Calderon (1875-1953)), com a aprovação do arcebispo de Lima, Dom Emilio Francisco Lisson Chaves.

As “Canonesas de la Cruz” propõe ao seu nome a sigla C.d.I.C. Como Instituto Diocesano, foi aprovado em 16 de setembro de 1919. Seu Estatuto, por sua vez, em 1925.

O carisma principal é a catequeses e a animação litúrgica nas paróquias. As religiosas estão presentes na Argentina, Chile, Peru, Venezuela, Albânia, Itália. A Casa Geral é em Lima.

Via Vatican News

Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy free download
download micromax firmware
Premium WordPress Themes Download
download udemy paid course for free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.