Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 07/11/2016

Papa: a vergonha de salvar bancos e não pessoas

O Papa Francisco encontrou-se no Vaticano, na Sala Paulo VI, na tarde de sábado, 5, com cerca de 5 mil membros dos Movimentos Populares que vieram a Roma para o seu 3º Encontro Mundial subordinado ao tema “Trabalho, Teto, Terra”.

O dinheiro governa

“Terra, casa e trabalho para todos”, o Santo Padre fez seu o grito dos Movimentos Populares que exprime um real sentimento de sede de justiça. Francisco recordou o encontro que aconteceu na Bolívia em 2015 e louvou o caminho percorrido até agora no diálogo entre “milhões de pessoas que trabalham diariamente pela justiça no mundo”.

Mas, a justiça está ameaçada pelas desigualdades da violência econômica, social, cultural e militar que provocam cada vez mais violência, pois é “o dinheiro” que governa – afirmou o Papa que considerou ser terrorista um sistema que “expulsa a maravilha da criação, o homem e a mulher”.

Neste momento da sua intervenção Francisco recordou que Pio XI na Carta Encíclica Quadragesimo ano, de 15 de maio de 1931 previa a afirmação de uma ditadura econômica global à qual chamou de “imperialismo internacional do dinheiro”.

Por sua vez, o Papa Paulo VI denunciou há quase cinquenta anos na Carta Encíclica Octogesima adveniens, de 14 de maio de 1971, a “nova forma abusiva de domínio econômico no plano social, cultural e também político”.

“São palavras duras mas justas dos meus predecessores que perscrutaram o futuro” – disse o Papa – “a Igreja e os profetas dizem, há milênios, aquilo que tanto escandaliza, que repete o Papa neste tempo em que tudo isto atinge expressões inéditas. Toda a doutrina social da Igreja e o magistério dos meus predecessores rebela-se contra o ídolo do dinheiro que reina, ao invés de servir tiraniza e aterroriza a humanidade” – afirmou o Santo Padre.

Desenvolvimento Humano Integral

O Papa referiu, assim, que está sendo alimentado o medo que para além de ser “um bom negócio para os mercadores das armas e da morte, enfraquece-nos, desestabiliza-nos, destrói as nossas defesas psicológicas e espirituais” – disse Francisco recordando que “quando vemos que se prefere a guerra à paz, quando vemos que se difunde a xenofobia, quando constatamos que ganham terreno as propostas intolerantes; por trás desta crueldade que parece massificar-se existe o frio sopro do medo” Mas “a misericórdia é o melhor antídoto contra a medo” – declarou.

O Papa Francisco observou neste momento do seu discurso a viabilidade de um “projeto-ponte dos povos perante o projeto-muro do dinheiro. Um projeto que visa o desenvolvimento humano integral” – sublinhou o Santo Padre recordando o recém-criado dicastério para o Desenvolvimento Humano integral. “O contrário do desenvolvimento, poderia dizer-se, é a atrofia, a paralisia” – assinalou.

“Devemos ajudar a curar o mundo da sua atrofia moral. Este sistema atrofiado é capaz de fornecer algumas ‘próteses’ cosméticas que não são verdadeiro desenvolvimento: crescimento econômico, progressos tecnológicos, maior ‘eficiência’ para produzir coisas que se compra, são usadas e atiradas fora, envolvendo-nos a todos numa vertiginosa dinâmica do descarte” – declarou o Papa que afirmou que o desenvolvimento do qual temos necessidade deve ser “humano, integral, respeitoso da criação”.

A bancarrota da humanidade

Um ponto importante referido por Francisco foi “o drama dos migrantes, dos refugiados e dos deslocados” que o Papa descreveu com uma palavra: “vergonha”. O Santo Padre recordou a sua ida a Lampedusa e à ilha de Lesbos na Grécia onde, nesta última, teve a oportunidade de “ouvir de perto o sofrimento de tantas famílias expulsas da sua terra por motivos econômicos ou violências de todo o tipo, multidões exiladas”, que, segundo Francisco acontece “por causa de um sistema socioeconômico injusto” e por causa das “guerras”.

O Papa vê nos “olhos das crianças” nos campos de refugiados a “bancarrota da humanidade” pela qual se faz pouco para salvar, mas se for a bancarrota de um banco imediatamente se procura salvar – disse Francisco:

“O que acontece no mundo de hoje que, quando ocorre a bancarrota de um banco, imediatamente aparecem somas escandalosas para salvá-lo, mas quando acontece esta bancarrota da humanidade não existe sequer uma milésima parte para salvar estes irmãos que sofrem tanto? E assim o Mediterrâneo transformou-se num cemitério e não somente o Mediterrâneo… tantos cemitérios próximos dos muros, muros manchados de sangue inocente.”

Formatação

O Papa falou de seguida de “formatação” e “corrupção”. Desde logo, deixou claro que há o perigo de os povos se deixarem formatar pelas ‘políticas sociais’ que são toleradas e que passam pelas microempresas, pelas cooperativas, pelos projetos assistenciais.

Contudo, segundo o Santo Padre, é partindo do bairro, da localidade, da organização do trabalho comunitário que é possível discutir a “política com maiúscula”, indicando “ao poder um planeamento mais integral”. Mas, essa forma de intervenção – disse Francisco – não é tolerada porque, dessa forma, estariam a sair do formato “que alguns pretendem monopolizar em pequenas castas” – observou.

“Assim a democracia atrofia-se, torna-se um nominalismo, uma formalidade, perde representatividade, vai desencarnando-se porque deixa de fora o povo na sua luta quotidiana pela dignidade, na construção do seu destino” – afirmou o Papa.

Corrupção

O Santo Padre alertou também para a corrupção que não é apenas “uma questão de políticos, a corrupção não é um vício exclusivo da política” – sublinhou – pois ela existe também nas empresas, nos meios de comunicação social, nas Igrejas e também nas organizações sociais e nos movimentos populares.

“… é necessário viver a vocação de servir com um forte sentido de austeridade e humildade. Isto vale para os políticos, mas vale também para os dirigentes sociais e para nós pastores” – disse o Papa que, de imediato, esclareceu que ao afirmar a palavra austeridade refere-se à austeridade moral e humana e não àquela apontada pelas “ciências do mercado” e que significa ajuste. “Não é a isso que eu me refiro” – afirmou.

Vida de serviço e amor

No final do seu discurso o Papa Francisco exortou os Movimentos Populares a continuarem a “combater o medo com uma vida de serviço, solidariedade e humildade em favor dos povos e especialmente daqueles que sofrem”.

“Contra o terror, o melhor remédio é o amor. O amor cura tudo” – afirmou o Santo Padre que recomendou a leitura da sua Exortação Apostólica ‘A alegria do amor’, recordando ser este um documento não apenas “sobre o amor em cada família, mas também naquela outra família que é o bairro, a comunidade, o povo, a humanidade”.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
udemy free download
download mobile firmware
Download Premium WordPress Themes Free
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.