Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 14/10/2016

Oração de Súplica

A oração cristã tem seu modelo no próprio Senhor Jesus Cristo. O Evangelho de São Lucas apresenta uma série de eventos em que Jesus está efetivamente em oração (Pelo menos dezenove vezes!). Para Jesus, orar é estar no relacionamento com o Pai e o Espírito Santo, pois ele é Deus. E está sempre unido ao Pai, para fazer sua vontade, realizar o plano de amor e salvação para a humanidade. Diante da perseguição, incompreensão ou sofrimentos, a ele se aplica a palavra do salmista: “Em troca de minha afeição, me caluniam, enquanto eu fico rezando” (Sl 109/108, 4). Aos discípulos Jesus ensina a oração por excelência, que é o Pai Nosso, e se desdobra em atenções para que os que o seguem, em todas as gerações, descubram o modo de rezar sempre. De fato, São Lucas nos conta que “Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de orar sempre, sem nunca desistir” (Cf. Lc 18, 1-8), na leitura proclamada pela Igreja neste final de semana. Mais adiante (Cf. Lc 18, 9-14), além da oração insistente, na Parábola do Fariseu e do Publicano, Jesus propõe a humildade e o realismo como caminho da verdadeira oração.

Jesus, ao contar a Parábola do juiz injusto e a pobre viúva, mostra duas figuras da vida real, presentes também em nosso tempo. Isso revela que ele conhecia bem a sociedade de seu tempo e de nosso tempo! Um juiz insensível a Deus e o próximo e uma mulher pobre, lutando pelos seus próprios direitos. Faz pensar na quantidade de processos encaminhados à justiça, ou nas imensas filas que serpenteiam a proximidade de repartições públicas, postos de saúde e hospitais, ou passar pelos corredores de pronto-socorro repletos de macas, com enfermos tratados com extremo relaxamento. Dá para pensar no desleixo encontrado, quando nem o material necessário à confecção de carteiras de trabalho está à disposição das pessoas que têm o direito a tal documento, ou o desrespeito com que os pobres são tratados, ao buscarem os diversos serviços pelos quais pagam através dos impostos. Clama ao Céu a avalanche de corrupção que se espalha em todos os poderes do sistema que desejamos chamar democrático! É difícil, infelizmente, identificar em qual dos três poderes, executivo, legislativo e judiciário, existe mais corrupção e até maldade.

A Parábola contada por Jesus deixa entrever o contraste violento entre grupos sociais, mas aponta para a solução encontrada pela viúva. Mesmo sem temer a Deus e não respeitar a ninguém (Cf. Lc 18, 4), o juiz acaba atendendo o pleito da pobre mulher, para livrar-se de sua insistência (Cf. Lectio divina sui vangeli festivi, a cura di Anthony Cilia, O.Carm, Elledici, Leumann – TO, 2012). Até aqui a Parábola, mas Jesus, e só ele pode fazer isso, passa do juiz ao Pai do Céu. Quem de nós teria coragem suficiente para ir de um extremo ao outro em semelhante comparação? O que importa para o Senhor é a atitude da viúva que, graças à sua insistência, obtém o que quer.

E aqui retornamos ao propósito da Parábola, que é rezar sempre, e nunca desistir. A oração expressa o desejo de estar em plena sintonia com Deus o dia inteiro. Para Jesus a oração era intimamente unida à vida, aos fatos concretos, às decisões a serem tomadas. Para ele e para os discípulos, que somos todos nós, ser fiéis a Deus significa permanecer com o Pai, abrir-se às inspirações do Espírito Santo, escutar a Deus.

A oração de Jesus começa com o louvor, assim como há de ser a oração do cristão: “Naquela mesma hora, ele exultou no Espírito Santo e disse: ‘Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, assim foi do teu agrado'”(Lc 10, 21). Ou, em outra ocasião: “Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado. Em verdade, em verdade, vos digo: se o grão de trigo que cai na terra não morre, fica só. Mas, se morre, produz muito fruto. Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem não faz conta de sua vida neste mundo, há de guardá-la para a vida eterna. Se alguém quer me servir, siga-me, e onde eu estiver, estará também aquele que me serve. Se alguém me serve, meu Pai o honrará. Minha alma está perturbada. E que direi? ‘Pai, livra-me desta hora’? Mas foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, glorifica o teu nome!’ Veio, então, uma voz do céu: ‘Eu já o glorifiquei, e o glorificarei de novo'” (Cf. Jo 12, 23-28). Trata-se de um diálogo profundo de amor, uma oração alegre, que dá gosto!

Em seguida, a oração se transforma em ação de graças pelo que Deus faz em nossa vida. Após a cura de dez hansenianos, “Jesus perguntou: ‘Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro?’ E disse-lhe: ‘Levanta-te e vai! Tua fé te salvou'” (Lc 17, 17-19). Tanto é importante a gratidão alegre, que a vida da Igreja tem seu centro justamente na Eucaristia, que quer dizer “ação de graças”.

Rezar é ainda pedir perdão, reconhecer-se fraco e pecador, confiando totalmente na misericórdia de Deus, tanto que o Senhor diz que “haverá no céu alegria por um só pecador que se converte, mais do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão” (Lc 15, 7). E os mais frágeis e pecadores de todos os tempos a ele acorrem confiantes. A cada Missa dizemos “Confesso a Deus todo-poderoso e a vós irmãos, que pequei muitas vezes…”. E a graça do Sacramento da Penitência é um encontro maravilhoso de oração e partilha de amor, na misericórdia oferecida por Deus.

Após o louvor, a ação de graças e o pedido de perdão, a oração cristã se faz súplica, na certeza de que Deus conhece as nossas necessidades e quer conhecer nosso compromisso com seu plano e nossa adesão à sua vontade. Podemos pedir tudo, desde que o coração seja de filho e filha que desejam apenas o bem. E Deus é o bem maior. A comunhão com ele, a participação no mistério de amor de seu Filho, que por nós morreu e ressuscitou, tudo nos envolve numa voragem de amor que liberta e faz alcançar todas as graças. Inclusive será graça pura quando virmos nossos eventuais pedidos não serem atendidos. Basta esperar um pouco para verificar que o Senhor nos deu mais e muito melhor daquilo que eventualmente pretendíamos.

“Ó Espírito Santo, vem em socorro de nossa fraqueza e ensina-nos a rezar. Sem ti, Espírito do Pai, não sabemos nem mesmo o que devemos pedir, nem como pedir. Mas tu mesmo, vem em nosso socorro e reza ao Pai por nós, com suspiros que nenhuma palavra pode exprimir. Ó Espírito de Deus, tu conheces nosso coração: reza em nós como o Pai deseja. Ó Espírito Santo, vem em socorro de nossa fraqueza e ensina-nos a rezar” (Cf. Rm 8, 26-27).

Por Dom Alberto Taveira Corrêa – Arcebispo de Belém do Pará

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy free download
download mobile firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.