Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 06/05/2019

Obedecer a Deus

Após a Ressurreição e Ascensão de Jesus e a descida do Espírito Santo, no Pentecostes, começou a maravilhosa aventura da Igreja, chamada por Deus e atuar como sal, luz e fermento na sociedade. Os Atos dos Apóstolos retratam a vida das primeiras Comunidades, com os percalços havidos no confronto com os costumes, legislação e prática religiosa existentes na Palestina daquele tempo. Depois, especialmente através do ministério de Paulo, ampliaram-se os horizontes e os problemas afloraram. Tratava-se do ambiente helênico e romano, com hábitos e cultura diferentes. Trata-se de adequar-se a cada ambiente, sem perder a originalidade da graça do cristianismo, tarefa que acompanha a Igreja no correr dos séculos.

Já na Sagrada Escritura e na História da Igreja, o Espírito Santo abriu sempre as portas para o reconhecimento sincero das faltas existentes nas pessoas, sabedores que somos da santidade da Igreja, malgrado os nossos pecados pessoais, comunitários e sociais. De fato, ela é santa, pois “Cristo também amou a Igreja e se entregou por ela, a fim de santificar pela palavra aquela que ele purifica pelo banho da água. Pois ele quis apresentá-la a si mesmo toda bela, sem mancha nem ruga ou qualquer reparo, mas santa e sem defeito” (Ef 5,26-27). Os pecados são nossos, e o Senhor quer deles purificar-nos. A Igreja é santa, mas feita de pecadores, que somos nós! Se assim não fosse e a Igreja tivesse sido criada como uma associação de pessoas interessadas até no Evangelho, não teria subsistido! Ela se mantém porque o Senhor está no meio de nós! Mistério da Misericórdia de Deus!

O confronto da Igreja nascente com os poderes religiosos e políticos então reinantes nos trouxe uma magnífica experiência, cujos reflexos podem multiplicar-se também hoje, com edificantes consequências. “Os guardas levaram os apóstolos e os apresentaram ao Sinédrio. O sumo sacerdote começou a interrogá-los: ‘Não vos proibimos expressamente de ensinar nesse nome? Apesar disso, enchestes a cidade de Jerusalém com a vossa doutrina. E ainda quereis nos responsabilizar pela morte desse homem!’ Então Pedro e os outros apóstolos responderam: ‘É preciso obedecer a Deus antes que aos homens. O Deus de nossos pais suscitou Jesus, a quem vós matastes, pregando-o numa cruz. Deus, porém, por seu poder, o exaltou, tornando-o Chefe e Salvador, para propiciar a Israel a conversão e o perdão dos seus pecados. E disso somos testemunhas, nós e o Espírito Santo, que Deus concedeu àqueles que lhe obedecem’. Quando ouviram isto, ficaram furiosos e queriam matá-los” (At 5,27-33).

Nós fomos criados por Deus e a ele devemos dar contas de nossa caminhada nesta terra e das decisões que tomamos. Antes de sermos membros de qualquer sociedade organizada nesta terra, temos uma dignidade fundante de nossa existência, e esta vem de Deus e seu plano infinito de amor, com o qual quer que vivamos nesta terra e numa eternidade feliz. Passa na frente do Estado ou dos Governos a liberdade religiosa e o dever de respeitar as pessoas, em suas decisões de consciência. Por isso, sistemas sociais e políticos vieram à tona e depois se esvaíram, mas a Igreja, com todos os limites dos homens e mulheres que a compõem, permanece firme estável, solidamente alicerçada na Rocha que é Cristo. Um dos sinais mais impressionantes da solidez da Igreja é o ministério de Pedro e seus sucessores, chamados a proclamar que se deve obedecer antes a Deus do que aos homens. E é um verdadeiro milagre que percorre a história o fato de o Espírito Santo ter sempre alguém misteriosamente preparado para ser Papa, e o nome dele em nosso tempo é Francisco. Independente da idade, nacionalidade, formação ou cultura, impressiona fortemente a nós e ao mundo a fidelidade dos que são responsáveis pela eleição de um Papa, ao acolherem e a ele fazerem plena unidade e prestarem obediência, sabendo que sua palavra e ministério confirmam os irmãos, segundo a promessa do Senhor: “Eu, porém, orei por ti, para que tua fé não desfaleça. E tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos” (Lc 22,32).

Para obedecer antes a Deus do que aos homens, faz parte da vida da Igreja o discernimento, com o qual se buscam fontes seguras: a Palavra da Escritura, as inspirações de Deus acolhidas com serenidade na oração e o conselho dos irmãos e irmãs. Daí o respeito que nos cabe ter diante de realidades tão sérias, com que a Igreja busca o discernimento dos passos a serem dados no anúncio do Evangelho. Claro exemplo é o que os Bispos do Brasil inteiro realizam nestes dias, com dez jornadas intensas de reflexão, oração e tomada de decisões, na 57ª Assembleia Geral Ordinária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, nosso organismo eclesial de comunhão e partilha. Um dos pontos mais importantes será a elaboração das novas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Desejamos “anunciar a alegria do Evangelho, no Brasil cada vez mais urbano, e formar discípulos, em comunidades de fé, para sair em missão rumo às periferias existenciais, em solidariedade com os pobres, sofridos e abandonados, no cuidado da Casa Comum, testemunhando o Reino de Deus, até à plenitude”.

E a Igreja vive a sua missão num mundo pluralista e desafiador, quanto às convicções religiosas, políticas e culturais, devendo responder com espírito de humildade, aliado à grande paixão pela verdade, que é Jesus Cristo. Sabemos que os próximos dias serão também de grandes provocações a um testemunho fiel do Evangelho sobre os Bispos e toda a Igreja, vindas das mais diversificadas correntes de pensamento e opinião, pelo que nós confiamos à fervorosa oração de todo o Povo de Deus, para que sejamos mais fiéis a Deus do que aos homens (Cf. At 2,27-33). E vamos adiante, preparando-nos para a Assembleia especial do Sínodo dos Bispos sobre a Evangelização na Amazônia e a busca da Ecologia integral, prevista para o próximo mês de outubro, em Roma, com a presença e presidência do Papa Francisco.

No entanto, não só na Assembleia dos Bispos faz-se necessário obedecer antes a Deus do que aos homens. O discernimento há de acompanhar os jovens em suas opções de vida, o matrimônio nas decisões sobre os filhos e a educação dos mesmos, os homens e mulheres que têm responsabilidades na vida pública nas escolhas e na execução das políticas públicas!

O Espírito Santo nos conceda o mesmo ardor e a coragem das primeiras comunidades cristãs, para sermos sinais de Deus para o nosso tempo e o nosso mundo. Maria, Mãe da Igreja e Rainha dos Apóstolos, interceda por nós!

Por Dom Alberto Taveira Corrêa – Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará, via CNBB

Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
udemy free download
download lava firmware
Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.