Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 20/05/2020

Igreja do Brasil seguirá regras mais firmes para combater abusos, assegura Comissão da CNBB

hiding-1209131-640

No próximo dia 1º de junho terminará o prazo para que as Igrejas particulares, Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica estabeleçam as regras previstas no Motu Próprio Vos Estis Lux Mundi (“Vós sois a luz do mundo”). A Carta Apostólica do Papa Francisco ordena regras para combater os crimes de abuso sexual cometidos contra menores e pessoas vulneráveis no âmbito da Igreja Católica e a Comissão Especial de Proteção da Criança e do Adolescente da CNBB está realizando um conjunto de ações para assegurar que o decreto papal seja cumprido.

Na segunda- feira,18, em memória ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o tema ganhou destaque e ações realizadas pela Igreja até o momento foram avaliadas.

Vale recordar que a carta do Sumo Pontífice foi publicada no dia 9 de maio de 2019 e desde então a Igreja no Brasil se organizou para atender as demandas propostas no documento. O Motu Proprio, em 19 artigos, estabelece qual deve ser o rito e os prazos de investigação de uma denúncia de abuso. No que se refere à forma que a Igreja deve proceder nos cuidados prestados às pessoas, foram definidos acolhimento, escuta e acompanhamento, por meio de serviços específicos de assistência espiritual, médica e terapêutica.

Em 2018, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), publicou o texto “O cuidado pastoral das vítimas de abuso sexual”, com orientações para as dioceses sobre as condutas adequadas. As orientações, revistas à luz do documento do Papa, também estão sendo utilizadas como diretrizes para a Igreja no Brasil.

Uma das inciativas que a Comissão Especial de Proteção da Criança e do Adolescente da CNBB realiza para assegurar o cumprimento das diretrizes que estabeleceu a Santa Sé, é a elaboração e envio ao episcopado brasileiro do texto: Orientações para o funcionamento e instituição da Comissão Diocesana ou Interdiocesana para a Tutela dos Menores e Pessoas em situação de Vulnerabilidade. O texto ressalta que dioceses são chamadas a criar sistemas acessíveis ao público para a notificação de denúncias.

Em reportagem publicada no site da CNBB, o presidente da Comissão Especial de Proteção da Criança e do Adolescente da CNBB e bispo de Santo Amaro (SP), Dom José Negri, falou sobre o auxilio da Comissão junto às dioceses de todo o território nacional, no esclarecimento de dúvidas e soluções necessárias para a implementação das novas regras. O bispo destacou que a regra é adotar uma política de “tolerância zero” diante dos casos de abuso.

“Tanto a CNBB, quanto a Igreja no Brasil, adotam essa postura radical para que as nossas comunidades, obras e serviços sejam cada vez mais um ambiente seguro para todos, sobretudo para os menores e vulneráveis”, explicou Dom José.

Em obediência ao documento papal, diversas dioceses brasileiras já criaram comissões de proteção a menores e vulneráveis com o objetivo de identificar e combater abusos.

Via ACI Digital

Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
udemy free download
download xiomi firmware
Download WordPress Themes Free
free download udemy paid course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.