Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 01/04/2021

Fraternidade é esperança para o futuro

Francisco assinou a 3 de outubro de 2020 a sua nova Encíclica: “Fratelli tutti”, “Todos irmãos”. Com esta expressão, o Papa recorda o Santo de Assis e propõe “uma forma de vida com sabor a Evangelho”.

Fraternidade desde o início

Francisco de Roma deixou-se inspirar por Francisco de Assis e colocou-se na esteira do futuro propondo um caminho de fraternidade. Desde o primeiro dia do seu pontificado, que o Papa Francisco se apresentou ao mundo com a palavra “irmãos”. Logo ali na noite da sua eleição, em Roma, a 13 de março de 2013: “Irmãos e irmãs, boa noite!” – disse.

E lançou um desafio: “Comecemos este caminho, bispo e povo, um caminho de fraternidade e de confiança entre nós.”

Depois da Encíclica “Lumen Fidei”, em 2013 e da “Laudato Si”, em 2015, Francisco dirige-nos um grande desafio. O desafio da fraternidade proposta por Jesus: amar o próximo como a mim mesmo.

Anseio mundial de fraternidade

A Encíclica “Fratelli tutti”, “Todos irmãos”, terceira do pontificado de Francisco, é um texto dedicado à fraternidade e à amizade social que procura acender uma luz de esperança numa humanidade sofrida. Especialmente neste tempo de pandemia.

O Papa refere-se, precisamente à Covid-19, logo no número 7 da sua Encíclica afirmando que esta doença “irrompeu de forma inesperada” tendo deixado “a descoberto as nossas falsas seguranças”. “Desejo ardentemente que, neste tempo que nos cabe viver, reconhecendo a dignidade de cada pessoa humana, possamos fazer renascer, entre todos, um anseio mundial de fraternidade” – escreve o Papa.

Cada vida é vida em comum

Foram vários os bispos portugueses dos quais recolhemos comentários e reflexões sobre a nova Encíclica do Papa Francisco. Recordamos aqui dois pequenos apontamentos. Para o arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, esta Encíclica tem um significado especial em tempo de pandemia, uma conjuntura na qual “cada vida, é vida em comum, é vida de uns com os outros”:

“Estamos todos dolorosamente separados uns dos outros, tememos os contactos. Temos medo de entrar em relação. A vulnerabilidade está patente aos olhos de todos. Assim como também a precaridade mostra a verdadeira condição humana. E a ciência confessa também os seus limites. E é um pouco nesta situação do limite que nós reconhecemos que teremos que ser solidários. Nesta conjuntura verificamos que cada vida, é vida em comum, é vida de uns com os outros. É vida de uns para com os outros. A minha vida não depende só de mim, somos parte integrante da humanidade e a humanidade é parte de nós mesmos. Somos um corpo, somos uma família, vivemos e interpretamos a fraternidade.”

Parábola do bom samaritano é fio condutor

Para o bispo de Bragança-Miranda, a parábola do bom samaritano é o “fio condutor” da Encíclica do Papa Francisco. D. José Cordeiro considera que em tempo de pandemia é bom exercitar a reflexão sobre a questão: ‘quem é o meu próximo?’

“No tempo de pandemia, o uso da máscara exercita ainda mais o ouvir e o olhar. E o Papa Francisco cita Santo Agostinho para sublinhar esta contribuição peculiar de todos e de cada um. O ouvido vê através do olho e o olho escuta através do ouvido. E neste tempo de pandemia, em que revalorizamos a família, a comunidade e tantos valores que pareciam estar mais esquecidos é também a oportunidade desta questão fundamental do próximo: ‘Quem é o meu próximo?’. E a parábola do bom samaritano é aqui o fio condutor desta Encíclica social. Porque não se avança sem memória, como diz o Papa, olhando para Cristo como Bom Pastor. Nós somos também desafiados a perguntar: de quem é que eu me aproximo?” – perguntou o prelado.

Precisamos mais do que nunca de fraternidade

No Dia de Natal de 2020 o Papa na sua Mensagem e Benção Urbi et Orbi referiu-se de maneira especial ao período difícil que estamos a viver com a pandemia de Covid-19. Um “momento histórico” onde a solução chama-se fraternidade – disse Francisco:

“Neste momento histórico, marcado pela crise ecológica e por graves desequilíbrios económicos e sociais, agravados pela pandemia do coronavírus, precisamos mais do que nunca de fraternidade.  E Deus oferece-a, dando-nos o seu Filho Jesus: não uma fraternidade feita de palavras bonitas, ideais abstratos, vagos sentimentos… Não! Uma fraternidade baseada no amor real, capaz de encontrar o outro diferente de mim, de compadecer-me dos seus sofrimentos, aproximar-me e cuidar dele mesmo que não seja da minha família, da minha etnia, da minha religião; é diferente de mim, mas é filho de Deus meu irmão, é minha irmã. E isto é válido também nas relações entre os povos e as nações. Todos irmãos” – declarou o Santo Padre.

Na sua Encíclica “Fratelli tutti”, “Todos irmãos”, o Santo Padre indica um caminho a percorrer, por uma fraternidade a procurar. Um caminho que é esperança para o futuro da humanidade.

 

Fonte: VaticanNews

Download WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
online free course
download huawei firmware
Download Premium WordPress Themes Free
lynda course free download

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X