Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 26/06/2019

Festa junina

Nossa vida às vezes é uma rotina tecida de trabalho e preocupações. Em meio a tudo isso existem as festas. São momentos de alegria coletiva que anulam, por assim dizer, o peso dos deveres diários, quebrando a rotina. A festa é afirmação da vida, tão passageira. Na festa, apesar dos desafios e dúvidas, se dá sentido ao mundo e orientação à história. A sociedade moderna repleta de diversões é menos festiva que a sociedade rural antiga da qual derivam as “festas juninas”.

Nas grandes cidades, as festas começaram a ser organizadas por empresas especializadas. As metrópoles começam também a se notabilizarem por festas que se tornaram tradicionais, ou características daquela cidade. Assim, a festa do figo em Valinhos, da uva em São Roque, do Rodeio em Barretos, e etc.

No Grande ABC as festas juninas ganham destaque em quase todo o seu território. Não são somente clubes e entidades sociais beneficentes, mas muitas paróquias primam por celebrar as festas juninas. As celebrações religiosas e as quermesses de confraternização são animadas e concorridas.

Como surgiram estas festas juninas? Surgiram na Igreja Católica a partir da devoção popular em torno da devoção de três santos muito queridos do povo: Santo Antônio de Pádua e Lisboa, São João Batista e São Pedro Apóstolo.

Santo Antonio é o santo mais querido no Brasil, depois de Nossa Senhora Aparecida. Nasceu em Lisboa, e morreu em Pádua aos 36 anos, em 1231. Foi franciscano, professor de teologia e missionário popular. Notabilizou-se por pregar o Evangelho e defender o povo pobre. E por que casamenteiro? Porque conseguiu mudar algumas leis no sentido de favorecer os mais simples, como a lei que proibia casamento de moças que não tinham dinheiro para o dote, obrigatório àquela época, forçando muitas a ficarem sem casar. Santo Antônio foi profeta e missionário do Evangelho, amou a Deus e amou o povo de Deus. Por isso lutou pela justiça!

São João Batista, primo, amigo e mentor de Jesus Cristo que por ele foi batizado no Rio Jordão. Profeta e mártir da Justiça. O rei Herodes mandou decapitá-lo porque juntamente com sua corte, não estava de acordo com sua pregação. João convidou as pessoas à conversão porque o reinado de Deus estava chegando. Conversão para ele era preparar um mundo novo sem corrupção e injustiças. E por que a fogueira? Porque São João anunciou Jesus como “cordeiro de Deus”, ou seja, o Messias não violento. Os cordeiros eram vigiados pelos pastores que acendiam fogueiras para se aquecerem no inverno. Daí a fogueira de São João, a qual nos lembra que Jesus é luz do mundo.

São Pedro, chefe dos apóstolos, foi pescador, pai de família, escolhido por Jesus para ser a pedra de fundação da sua nova família: a Igreja. Após a morte de Jesus, ele morou em Jerusalém, depois em Antioquia, e por fim em Roma, onde foi martirizado, provavelmente, no ano 67 na colina do Vaticano. Ali foi construída uma Basílica sobre o cemitério no qual Pedro está sepultado. Por que a chave? Porque Jesus lhe disse: “Eu te darei a chave do Reino dos céus” (Mt 16,19), significando o serviço de pastor supremo da Igreja. As chaves do Reino de Deus que abrem a nossa vida para a santidade, vida no amor e na fraternidade!

Os santos de julho nos recordam que a verdadeira festa é o amor de Deus agindo em nossos corações, como agiu e continua agindo no deles por toda a eternidade. Eternidade que será a verdadeira festa onde só existirá a Paz e a glória de Deus, que nos faz participantes de sua felicidade para sempre.

Por Dom Pedro Cipollini – Bispo de Santo André

Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
udemy free download
download intex firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy course download free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.