Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 15/09/2020

Estava a Mãe Dolorosa de pé diante da Paixão de Cristo

327-dores-vimeo-1

O Stabat Mater Dolorosa é hino antigo do século XIII relacionado às dores de Nossa Senhora, unindo suas dores ao mistério da redenção de Cristo. O hino começa dizendo que a Mãe Dolorosa estava de pé aos pés da Cruz do seu Filho, ou seja, estava em prontidão, estava em sua fé fiel e em sua confiança esperançosa. Diante da dor, a Mãe sofria, estava cheia de tristeza, mas, ao mesmo tempo, a Mãe confiava e, acima de tudo, esperava o “amanhã de Deus”, ou seja, a feliz Ressureição.

A devoção à Paixão do Senhor e às dores de Nossa Senhora unida ao mistério do sofrimento de Jesus aparecem no início de 1221 na Germânia. E a partir de 1239, na cidade de Florença, na Itália, começou-se a venerar Nossa Senhora das Dores, e as suas sete dores tão bem difundidas pelos Servos de Maria e pelos Passionistas através de São Paulo da Cruz, que sempre nutriu um profundo amor a Virgem das Dores. Em Maria aos pés da Cruz a Igreja se contempla na Mãe, vê na Virgem Fiel aquilo que ela é chamada a ser, a fiel, a perseverante. Diante das perseguições e dos sofrimentos, a Igreja é chamada a estar sempre de pé diante do seu Senhor. Como nos ensina Papa Francisco: “Na maternidade de Nossa Senhora vemos a maternidade da Igreja que recebe todos, bons e maus: todos”. Aos pés da Cruz, Ela, a Dolorosa, foi nos dada por Jesus como Mãe; aos pés da Cruz, a Virgem transpassada se tornou mãe do novo povo de Deus. Contemplarmos as dores de Nossa Senhora é contemplarmos e recordarmos a Mãe da Igreja.

A Virgem Dolorosa que permaneceu firme diante da cruz

Como nos afirma tão bem o Padre Raniero Catalamesa: “Debaixo da Cruz, Maria mostra-se, pois, como a filha de Sião, que depois do luto e da perda dos seus filhos recebe de Deus novos Filhos, mais numerosos que antes, não segundo a carne, mas segundo o espírito. Um Salmo que a liturgia aplica a Maria diz: Tiro, a Filisteia e até mesmo a Etiópia: estes ali nasceram. Mas de Sião se há de dizer: “estes e aqueles nela nasceram…” O Senhor há de apontar no registro dos povos: “Este nela nasceu”. É verdade: todos nascemos lá! Dir-se-á também de Maria, a nova Sião: estes e aqueles dela nasceram. De mim, de ti, de cada um, também daquele que ainda não o sabe, no livro de Deus está escrito: “Este ali nasceu.”

Papa Paulo VI nos diz na Marialis Cultus: “Dai à vossa Igreja, unida a Maria na Paixão de Cristo, participar da ressurreição do Senhor”. E ao recordarmos as dores de Nossa Senhora, completemos em nós, para o bem da Igreja, o que falta à paixão do Cristo. Maria, sem dúvida alguma, com suas dores suportou e contribuiu com o plano da salvação. No calvário, a Mãe encontra o ponto culminante com o filho no mistério da redenção. O número 58 da Encíclica Lumen Gentium nos diz: “sofrendo profundamente com o seu Unigênito e associando-se com ânimo maternal ao seu sacrifício, consentindo amorosamente na imolação da vítima que ela havia gerado”. Durante toda a vida Maria teve a alma transpassada.

Cada dor que Nossa Senhora viveu ao longo de sua vida terrena ela tudo guardou no coração, tudo viveu em perfeita união com a vontade Divina que nunca a abandonou. Por pior que sejam nossas cruzes, a graça de Deus nunca nos falta. Todo sofrimento, seja ele na proporção que for, é sempre redenção.

O sofrimento de Maria contribui para nossa redenção

Na Carta Apostólica Salvifici Doloris temos algo belíssimo nesse sentido, que todo sofrimento é regenerador. “Em relação a todos os homens, a fim de que cada um deles, na peregrinação da fé, à semelhança e junto com Maria, lhe permanecesse intimamente unido até a Cruz; e assim, todo o sofrimento, regenerado pela virtude da Cruz, de fraqueza do homem se tornasse poder de Deus”.

Portanto, o sofrimento de Maria contribuiu para a redenção de todos os homens. Olhar para as dores de Maria, é olhar para as dores do homem e com ela trazer sempre a certeza que o amor tudo vence. E por mais duro que seja o sofrimento, ele sempre será redentor. Papa João Paulo II na carta sobre o sofrimento deixa claro: “Em Maria, os sofrimentos, numerosos e intensos, sucederam-se com tal conexão e encadeamento, que bem demonstram a sua fé inabalável; e foram, além disso, uma contribuição para a Redenção de todos. Na realidade, desde o colóquio misterioso que teve com o anjo, Ela entrevê na sua missão de mãe a « destinação » de compartilhar, de maneira única e irrepetível, a mesma missão do seu Filho. E teve bem depressa a confirmação disso, quer nos acontecimentos que acompanharam o nascimento de Jesus em Belém, quer no anúncio explícito de velho Simeão, que lhe falou de uma espada bem afiada que haveria de trespassar-lhe a alma, quer, ainda, na ansiedade e nas privações da fuga precipitada para o Egito, motivada pela decisão cruel de Herodes.”

Com a sequência deste dia da Virgem das Dores, fazemos nossas essas palavras: “Faze, ó Mãe, fonte de amor, que eu sinta em mim tua dor para contigo chorar. Faze arder meu coração, partilhar tua paixão e teu Jesus consolar”.

Que Nossa Senhora nos ensine a vivermos cada sofrimento da nossa vida unidos sempre às dores de Cristo. Sabendo esperar além da dor e a abraçar a nossa cruz de cada dia com amor e confiança. Maria é nosso grande modelo!

Por José Dimas, via Canção Nova

Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course
download samsung firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free online course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X