Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 15/03/2018

Dez anos da morte de Chiara Lubich. Cardeal Parolin: carisma sempre atual

“Chiara era uma amiga, uma irmã, uma mãe, uma pessoa cheia de Deus e muito simples”: com estas palavras, Maria Voce, presidente do Movimento dos Focolares recordou ontem a fundadora, Chiara Lubich, no décimo aniversário de sua morte.

A escolha de Deus: único ideal da vida

Nascida em Trento, em 1920, aos 23 anos Chiara consagrou sua vida a Deus, e viu nascer na sua cidade natal a primeira comunidade inspirada nos primeiros cristãos com um só vínculo: o amor evangélico identificado pela plena comunhão de bens materiais e espirituais. “Escolhemos Deus como único ideal da nossa vida, um ideal que não decepciona”, costumava dizer às suas companheiras, na época em que a experiência comunitária se alargava pela Itália e Europa e a espiritualidade da unidade – fundamento do carisma -, penetrava também entre outras Igrejas e denominações cristãs, iniciando o chamado “ecumenismo do povo”.

Fraternidade universal

Desde o início do Movimento, Chiara nos ensinou duas coisas: “que Deus é Pai de todos e por isso somos todos irmãos” – destaca Maria Voce – explicando como o desejo de Chiara ao amor recíproco no modelo de Jesus, ou seja, até dar a vida, conseguiu conquistar pessoas de outra fés e mesmo os não crentes, que “fazem parte da grande família do Movimento”, encontrando no Movimento a fonte de inspiração e de estímulo a colaborar para a tutela dos valores universais como a paz, a justiça, a liberdade e a proteção da criação.

A força espiritual de Chiara a serviço da Igreja

Uma grande força espiritual capaz de atrair multidões de várias idades, classes sociais e culturas. Essa força animava Chiara e os frutos podem ser vistos ainda hoje, também na Igreja. O cardeal Parolin recorda que a obediência e a docilidade da fundadora dos Focolares para com a Igreja – mesmo nos momentos difíceis – é evidenciada pela grande atenção que os Pontífices, desde Paulo VI até o Papa Francisco, deram-lhe oferecendo sempre apoio e encorajamento ao Movimento. Por ocasião do seu falecimento Bento XVI enviou um telegrama no qual evidenciava seu “empenho constante pela comunhão na Igreja, pelo diálogo ecumênico e pela fraternidade entre todos os povos” – e sua “existência vivida na escuta das necessidades do homem contemporâneo em plena fidelidade à Igreja e ao Papa”.

O estilo mariano e o conceito de unidade

Cardeal Parolin acrescenta que Chiara deixou duas grandes contribuições à Igreja: ter aprofundado e tornado vivo o “perfil mariano constitutivo da Igreja como também o apostólico” e a forte e inovadora chamada à unidade – “Que todos sejam um só para que o mundo creia” – construído e possibilitado pelo “segredo” do amor recíproco, a “regra de ouro” que o próprio Jesus nos ensinou com o “não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você”.

Centenas de eventos no mundo para o aniversário

Hoje em dia, passados dez anos da sua morte – cuja causa de beatificação e canonização já foi encaminhada – tudo isso é muito vivo e forte entre os membros do Movimento – mais de 2 milhões de membros e participantes em 182 nações – que celebraram a data com várias iniciativas nos quatro continentes. Em Roma, ontem, às 18h30 junto ao Santuário do Divino Amore, o cardeal João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para a Vida Consagrada, celebrou uma Missa para recordar Chiara.

Por Vatican News

Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
download udemy paid course for free
download huawei firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X