Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 27/01/2017

Deus já mentiu para você?

Deus já mentiu para você?” Como você responderia a essa pergunta? Ela foi feita  por uma criança que se sentia decepcionada a seu pai, que eu conheço bem. Desde então, eu tenho lutado com esse questionamento.

Meu treinamento filosófico poderia oferecer argumentos, explicando por que Deus não mente. Isso é pertinente e verdadeiro, mas não era o que a criança precisava naquele momento. Ela está lutando com uma decepção esmagadora, vendo que o que ela está esperando e o que tem definido no seu coração ainda não chegaram – e tudo indica que não vão chegar. As verdades da Filosofia poderiam trazer-lhe a clareza mais tarde, mas ela, agora, não seria capaz de vê-las através de suas lágrimas.

O pai poderia ter sucumbido à tentação de frustrar o ponto afiado da pergunta com a seguinte resposta: “Tudo vai ficar bem! Afinal, a Bíblia diz: “Nada é impossível para Deus”. Verdade – nada é impossível com Deus – mas essa afirmação não a ajudaria se fosse oferecida apenas para silenciá-la. Este é o problema dos chavões: eles podem ser um desserviço para as verdades, porque eles podem ser usados para sufocar as vozes e as dores daqueles que fazem perguntas desconfortáveis e indesejáveis. O pai não recorreu aos clichês porque tem muito respeito pela inteligência da filha e pela majestade de Deus.

E ainda estamos diante de sua situação difícil: “Eu procurei a vontade de Deus e agi de acordo. Esperei para receber o que Deus me prometeu. E nada aconteceu. Pior do que isso é o fato de a janela de oportunidades para eu receber o que me foi prometido por Deus estar começando a se fechar. Deus mentiu para mim? ”

Aqui, podemos ver as limitações da consolação da Filosofia e as verdades dos chavões piedosos. Nenhum deles leva uma pessoa confusa e de coração partido à cruz de Cristo. É para aquele lugar terrível, onde o mal tentou esmagar e apagar amor fiel, que os feridos devem ir. É lá que devemos contemplar o custo da confiança absoluta na bondade de Deus. E é só a partir daí que podemos encontrar o poder do Cristo ressuscitado.

Ao pé da cruz, vamos ecoar as palavras do sofredor Jó: “Ainda que ele me mate, nele esperarei” (Jó 13:15). Jó não se contentará com respostas medíocres ou banalidades. Ele procura uma audiência com Deus. Devemos fazer o mesmo – mas devemos saber – de uma maneira que Jó não compreendia – que confrontar Deus significa confrontar Cristo crucificado e ressuscitado. Nós vamos ao Servo Sofredor de Deus, que se rendeu de tudo, foi saqueado pelo mal, e foi, depois de um tempo de escuridão, chamado por Deus. Devemos entender que, se nos desviarmos de Cristo, não devemos esperar “sopa de frango para a alma”. Não! Virar-se para Cristo em nossa dor é pisar em um caminho obscuro de sangue e glória.

Podemos começar nosso abraço de Cristo crucificado e ressuscitado ecoando Jó: “Sei que podes tudo, que nada te é muito difícil”(Jó 42: 2). O último propósito de Deus é unir-nos a Ele por toda a eternidade. Nossas dores e alegrias temporárias nesta vida devem ser medidas à luz da eterna glória que Deus nos oferece.

Nós somos peregrinos terrestres no caminho para o Céu; inevitavelmente sofremos, e, finalmente, morremos. Alguns de nós podem ser martirizados. Alguns podem morrer enquanto olham para trás e enxergam uma vida agradável – a maioria de nós não. Ao longo do caminho, nenhum de nós tem a sabedoria para entender plenamente como a graça e providência de Deus trabalham com o livre-arbítrio humano, o desapontamento e a sorte silenciosa.

Contudo, temos a Igreja nos ensinando que, se nossa esperança em Deus repousa sobre o que podemos captar neste mundo que passa, estaremos decepcionados. Nossa esperança em Deus só pode descansar sobre a obediência de Cristo crucificado e sobre a fidelidade de Nosso Pai Celestial que elevou Cristo à soberania e à glória.

O poeta John Keats refere-se a este mundo como “O Vale Criador de Almas”. Esse mundo finito, e passageiro, com suas alegrias e tristezas reais e temporárias, pode ser usado por Deus e pelo dócil discípulo de Cristo para preparar uma alma para a eterna União com Deus. O pesar e as decepções, embora agonizantes, não precisam ser encarados como “desperdiçados”, mas podem ser usados, redentoramente, na purificação de uma alma para a felicidade do Céu.

Então, como aquele pai poderia ter respondido à pergunta da filha? Ele poderia dizer: “Não, Deus nunca mentiu para mim. E sei que Ele é fiel e amoroso, porque o que Ele fez por Cristo, Ele quer fazer por você e por mim”.

No próximo texto, vou falar de otimismo, desejo e esperança. Até lá, vamos nos manter em oração.

Por Fr Robert McTeigue, SJ, via Aleteia EUA

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
free online course
download huawei firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
download udemy paid course for free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.