Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 05/04/2019

Denunciam chantagens contra bispo católico após acordo entre China e Vaticano

Pe. Bernardo Cervellera, sacerdote missionário, especialista em Igreja Católica na China e editor da agência de notícias AsiaNews, denunciou as chantagens que Dom Vincenzo Guo Xijin sofre das autoridades da China.

Em nota publicada em 3 de abril em AsiaNews, Padre Cervellera disse que Dom Guo Xijin corre o risco de não concelebrar a Missa Crismal de Quinta-feira Santa, porque o Departamento de Assuntos Religiosos não o reconhece como bispo.

Até poucos meses atrás, Dom Guo Xijin era o Bispo de Mindong, reconhecido pelo Vaticano, mas não pelo governo comunista. Após o acordo provisório assinado em 2018 entre Santa Sé e China para a nomeação de bispos, o Prelado concordou em ser nomeado como Bispo Auxiliar de Mindong para que o Bispo titular seja Dom Zhan Silu, cuja excomunhão foi levantada pelo Papa Francisco por causa do acordo.

No entanto e apesar de ter concordado em se tornar Bispo Auxiliar, as autoridades chinesas não reconhecem Dom Guo Xijin e consideram que o seu ministério é “ilegal”, porque não está inscrito na Associação Patriótica Católica Chinesa, controlada pelo governo e que quer alcançar uma “Igreja independente” da Santa Sé.

Dom Zhan Silu é o atual vice-presidente nacional da Associação Patriótica Católica Chinesa.

Um fiel chamado John disse à AsiaNews que, “na prática, isso é chantagem. Se o bispo não se inscrever na Associação Patriótica, não poderá concelebrar com Dom Zhan Silu a Missa Crismal e corre perigo ao exercer qualquer ministério”.

“Depois do acordo China-Vaticano, tudo virou de cabeça para baixo: o bispo que antes era ilegal (excomungado) já pode celebrar, e o que antes era bispo titular, agora se tornou ilegal! Seria engraçado se não fosse sério e doloroso!”, lamentou.

Pe. Cervellera disse em seu artigo que, “em muitas dioceses, a Associação Patriótica e o Departamento de Assuntos Religiosos continuam exigindo que todos os sacerdotes se inscrevam na associação e mantenham a ‘Igreja independente’. A este respeito, o Vaticano manifestou uma tímida reserva em uma entrevista do Cardeal Fernando Filoni concedida ao (jornal do Vaticano) L’Osservatore Romano, destacando que a pertença à Associação segundo lei chinesa deveria ser facultativa.

O editor de AsiaNews disse que, “na Diocese de Mindong, o Departamento de Assuntos Religiosos está chamando todos os sacerdotes clandestinos ou subterrâneos (fiéis à Santa Sé), que são a maioria, um por um, e exigindo que se inscrevam na Associação Patriótica. Caso contrário, devem deixar suas paróquias e seu ministério”.

A Diocese de Mindong tem mais de 90 mil católicos. Destes, pelo menos 80 mil são da Igreja clandestina, na qual servem 45 sacerdotes, 200 religiosas, 300 leigas consagradas e centenas de leigos catequistas; enquanto os sacerdotes “oficiais” são apenas 12.

“Esses números são o suficiente para entender que o Departamento de Assuntos Religiosos busca destruir a Igreja diocesana, afastando os sacerdotes que não querem aderir” à Associação Patriótica, assinalou.

Para pressionar com a inscrição, o Departamento oferece uma recompensa de até 200 mil yuanes, cerca de 30 mil dólares. Até agora, nenhum sacerdote aceitou a oferta.

Na prática, afirma Pe. Cervellera, ao invés de “reconciliação” entre a Associação Patriótica e a Igreja clandestina ou subterrânea, com o acordo entre a China e o Vaticano “há uma grande pressão sobre a comunidade subterrânea com forte interferência na vida da Igreja”.

Dom Zhan Silu disse no início de março em Pequim que obrigar os sacerdotes a pertencerem à Associação Patriótica é, em sua opinião, a única maneira pela qual “se une a Igreja”. O Prelado também declarou que os católicos clandestinos ou subterrâneos não se registram na Associação Patriótica “porque têm interesses pessoais”.

O Acordo Provisório

Em 22 de setembro de 2018, o Vaticano anunciou a assinatura do Acordo Provisório com a China para a nomeação de bispos.

Graças ao acordo, dois Bispos chineses puderam participar do Sínodo da Juventude que aconteceu no Vaticano de 3 a 28 de outubro de 2018. Os prelados aproveitaram a oportunidade para convidar o Papa Francisco para visitar a China.

Alguns manifestaram oposição ao acordo, como o Bispo Emérito de Hong Kong, Cardeal Joseph Zen Ze Kiun, que em um artigo publicado em ‘The New York Times’, em 24 de outubro, escreveu: “Aos Bispos e sacerdotes clandestinos (fiéis) da China, só posso dizer-lhes isto: por favor, não comecem uma revolução. Eles (as autoridades) tomam suas igrejas? Já não podem mais celebrar? Vão para casa e rezem com suas famílias (…) Esperem por tempos melhores. Voltem para as catacumbas. O comunismo não é eterno”.

A bordo do avião no regresso de sua viagem à Letônia, Lituânia e Estônia no final de setembro do ano passado, o Papa Francisco disse aos jornalistas: “Eu sou responsável” pelo acordo.

Sobre os bispos que não estavam em comunhão com a Igreja até antes do acordo, como Dom Guo Jincai que participou do Sínodo, Francisco disse que “foram estudados caso por caso. Para cada bispo fizeram um expediente e estes expedientes chegaram à minha escrivaninha. E eu fui o responsável por assinar cada caso dos bispos”.

Sobre o acordo, Francisco indicou que “a coisa é feita em diálogo, mas nomeia Roma, nomeia o Papa. Isso está claro. E rezamos pelos sofrimentos de alguns que não entendem ou que têm nas costas muitos anos de clandestinidade”.

Em 26 de setembro, o Pontífice dirigiu uma mensagem aos católicos da China e à Igreja universal, na qual solicitou “gestos concretos e visíveis” aos bispos que foram retirados da excomunhão.

Via ACI Digital

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
udemy free download
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
udemy course download free

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.