Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 08/05/2018

Creio na Igreja

A Igreja tem estado na berlinda de discussões e até contestações. Geralmente, essas partem de uma compreensão insuficiente da natureza e da historicidade da Igreja de Cristo. Não admira que assim aconteça, uma vez que ela, no dizer do Concílio Vaticano II, é um “mistério” (cf LG 1), no qual convivem o divino e o humano, o visível e o espiritual, o pecado e a santidade. A Igreja será sempre “sinal de contradição” e ninguém, com uma afirmação ou uma negação, conseguirá dizer tudo sobre ela.

De qual “Igreja” estamos falando? Existem muitas Igrejas que se refazem a Jesus Cristo e, de alguma forma, se inserem na continuidade da missão que Jesus confiou aos apóstolos. Há uma longa discussão sobre a autenticidade de cada uma delas e sobre a medida em que cada uma é fiel ao ensinamento dos apóstolos e o comunica integralmente. Aqui nos referimos à Igreja Católica Apostólica Romana que, apesar de todos os problemas enfrentados ao longo de dois mil anos de história, permanece fiel a Jesus Cristo e ao ensinamento dos apóstolos.

Uma das questões mais problemáticas em relação à Igreja é a afirmação de que Cristo não fundou a Igreja, mas apenas anunciou o Evangelho. A fundação da Igreja teria acontecido depois de Cristo, pela ação dos apóstolos, ou ainda posteriormente a eles. Se isso fosse verdadeiro, estaria afirmada imediatamente uma descontinuidade entre Jesus e a Igreja e se justificaria a instituição de várias Igrejas, já na época apostólica. Ora, isso não se confirma no Novo Testamento. Pelo contrário, Jesus quis a Igreja e deixou clara a sua intenção sobre a existência e a missão dela.

Jesus reuniu discípulos e, entre eles, escolheu os apóstolos, preparando-os para a missão que lhes confiaria depois. Enviou-os para anunciarem o Evangelho, fazerem discípulos e realizarem gestos de salvação com a autoridade dele. Nas palavras da última ceia, Jesus encarregou os apóstolos de continuarem a fazer o que ele mesmo fez; na promessa de assistência do Espírito Santo a eles, nas palavras dirigidas a Pedro, confiando-lhe uma missão especial no grupo dos apóstolos e em vários momentos de sua vida, e após sua ressurreição, fica claro que Jesus quis que sua missão continuasse de forma organizada através dos discípulos. E lhes prometeu que ele próprio permaneceria para sempre com eles, tornando sua ação eficaz mediante a ação do Espírito Santo. É impensável que Jesus não tivesse a intenção de fundar a Igreja para a continuidade de sua própria ação e missão.

Mas também está claro que não se encontra um ato formal de fundação da Igreja no Novo Testamento. E ninguém pretenda encontrar uma espécie de ata de fundação da Igreja em algum cartório daquela época… A Igreja teve início com os elementos essenciais que a caracterizam na sua vida e missão. Os demais aspectos, como a sua estrutura visível, a definição pormenorizada e clara de sua doutrina, a sua liturgia e sua legislação interna, foram sendo definidas aos poucos, ao longo da história e ainda vão se explicitando, como a sua doutrina moral diante de questões novas. Mas, desde o início, era claro para todos que a Igreja está intimamente unida a Cristo e sua pregação e doutrina nunca devem entrar em contradição com o ensinamento dos apóstolos. As comunidades cristãs primitivas não punham em discussão, se Jesus queria a Igreja, ou não queria. Essa é uma discussão dos tempos modernos e contemporâneos e seu objetivo final é separar Cristo da Igreja e desautorizar a Igreja de se apresentar e falar em nome de Jesus Cristo. Se Cristo não tivesse instituído a Igreja, estaria aberto o campo para que cada um instituísse uma Igreja diferente, conforme seu projeto pessoal.

Outra coisa é questionar, se a Igreja ainda continua a ser aquela que Jesus quis. Este questionamento é possível e até saudável, pois leva a refletir seriamente sobre as características essenciais da Igreja de Cristo e a nos confrontar com elas. Desde logo, podemos lembrar que a Igreja, enquanto caminha neste mundo, está chamada a um processo contínuo de conversão a Cristo e de fidelidade a ele. Nossas maneiras históricas de ser a Igreja de Cristo deixam muito a desejar e devemos buscar o aprimoramento de nossa vida pessoal e eclesial. Por essa razão, a mesma Igreja nos recorda constantemente os chamados à conversão e à fidelidade ao Evangelho no seguimento de Jesus Cristo.

Mesmo assim, e apesar dos defeitos humanos da Igreja, ela não deixa de ser a verdadeira Igreja de Cristo. Desde os tempos apostólicos, sabemos que todos os membros da Igreja são chamados à vida santa e a contribuírem com suas capacidades e dons para a edificação do “corpo de Cristo” na caridade (cf 1Cor.12,12ss).

A Igreja de Cristo é pecadora pelo nosso lado. Porém, ela é santificada pelo Espírito Santo, que a habita, anima e conduz na fidelidade a Cristo e na fecundidade de sua missão. Somos um povo de santificados pela graça do Espírito Santo, no Batismo, chamados a ser santos na vida pessoal.

Por Dom Odilo Pedro Scherer – Arcebispo de São Paulo

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
udemy course download free
download redmi firmware
Download WordPress Themes
udemy free download

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.