Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 06/07/2018

Ouve-se um clamor!

Dante, no primeiro canto do Inferno, descreve seu encontro com Virgílio: “Quando o vi no grande deserto, ai de mim, gritei para ele: que é que sejas, sombra ou homem certo. Respondeu-me: não homem, homem já fui”. Esse verso traduz o que significa a expansão progressiva da técnica e que vai atingindo todos os âmbitos da vida humana.

O ser humano, de algum modo, sabe que participa, e consequentemente é corresponsável, da criação e promoção da vida. Ao mesmo tempo, porém, está sempre correndo o risco de se tornar promotor da destruição do próprio viver pessoal e social. É que na possibilidade de viver humanamente e dignamente está igualmente latente a possibilidade de matar e aniquilar desumanamente. Não faltam exemplos dessa realidade através dos quais se pode colher os gritos da pulsão de morte.

As conquistas da ciência e da técnica oferecem um número sem fim de possibilidades de promoção da vida em suas distintas formas de manifestação. Oferecem também meios sofisticados para sua destruição. Ela elimina o que é, desfaz o que foi, e apaga os traços do que será. Desse modo são eliminadas as virtualidades da surpresa, substituindo a natureza pela técnica.

Em se tratando da vida humana, desde sua origem até o seu ocaso natural, pode-se perceber que a condição humana é marcada pela possibilidade de realizar-se plenamente ou não. Não é possível arrancar do ser humano o quociente de equidade, sem destruir a pessoa. O desejo de criar um ser humano ‘puro’ já foi, em tempos recentes, uma tentação nefasta!

Toda forma de agressão à vida, não importa o seu estágio, desqualifica o ser humano na sua identidade e dignidade. A ninguém é concedido o direito ou o dever de eliminar a vida humana.

Todo indivíduo, pelo fato de ser pessoa humana, é provido de uma qualidade peculiar inerente a todos em igual medida. Ninguém pode instrumentalizar quem quer que seja. Tal qualidade gera o dever de tratar o ser humano, não importa o estágio e a condição de sua existência, com consideração e respeito, pois a condição de pessoa alguma é intrinsecamente superior à de outro sujeito.

A dignidade do ser humano exige o respeito de todos os outros membros da coletividade. A ninguém é concedido a possibilidade de realizar ataques ou agressões, seja de que ordem for, à autonomia do sujeito.

Afinal, qual o princípio da vida humana? O princípio é origem, surge e se impõe ao longo de toda a vida. O princípio só alcança plenitude na integração e degradação do fim. Início é princípio em busca de realização, fim é o princípio, plenamente realizado.

Pode-se assim compreender porque a questão da aprovação ou não do aborto, seja em que estágio for, não pode ser fruto de dados científicos e técnicos. Trata-se originariamente de uma questão de compreensão e de respeito pela dignidade humana. Nos debates em torno da questão do aborto não se observa um grito amoroso pela salvação e saúde. É, antes de tudo, um grito necrófilo de morte à vida e sua originalidade.

Por Dom Jaime Spengler – Arcebispo de Porto Alegre

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
free download udemy course
download xiomi firmware
Download WordPress Themes Free
free download udemy course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.