Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 27/10/2017

O maior mandamento

No Evangelho da santa missa do domingo passado, ouvimos Jesus discutindo com as autoridades judaicas sobre a questão do pagamento de imposto, se é lícito pagar imposto a César ou não. Jesus deixou uma resposta que até hoje é paradigmática: “Dai a César o que é de César, dai a Deus o que é de Deus”. Na sequência do Evangelho lido na Liturgia de hoje São Mateus narra outro debate provocado pelos fariseus – Mt 22,34-40. Ouvindo dizer que Jesus fechara a boca dos saduceus, os fariseus decidiram, eles também, pôr Jesus à prova. Um deles lhe perguntou: “Mestre, qual é o maior mandamento da lei?” Jesus respondeu unindo dois mandamentos, o primeiro que está no “Shemá Israel” (Dt 6,4ss): “amar a Deus acima de tudo”, e o segundo que está no Levítico 19: “amar ao próximo”. Jesus, então, assim, se expressou: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento! Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. E concluiu sua fala, dizendo: “Toda a lei e os profetas dependem desses dois mandamentos”.

A pergunta era oportuna naquela época, quando Jesus sabia que todo judeu, a cada dia, de manhã e de tarde, devia proclamar o “Shemá (Escuta) Israel? A resposta é sim. É sempre oportuno, em primeiro lugar para que não se caia na rotina e na repetição mecânica de palavras que vão se tornando vazias de sentido, distantes do cotidiano, sem pegada para influenciar os comportamentos e para dar cor, sabor e valor à vida. Em segundo lugar, porque os próprios escribas falavam existir no judaísmo uns seiscentos e treze mandamentos como preceitos e proibições que se ajuntaram ao longo do tempo e que não vieram diretamente de Deus, mas foram criados por eles mesmos, e tudo isso era igualmente importante. E que, portanto, no meio de uma religião misturada confusamente com tantas normas e regras e leis e mandamentos, as pessoas simples acabavam perdidas, sem saber ao certo o que é o essencial da religião e qual o mandamento mais importante. Por isso, a pergunta era mais do que pertinente.

Também para nós hoje pode acontecer de igual modo a mesma coisa. Não é assim que todo domingo, na Missa, juntos, rezamos a oração do “Credo”, o resumo de nossa fé, mas depois, no dia a dia, mais de uma vez, nem bem nos lembramos do conteúdo daquilo em que acreditamos nem sabemos dar a razão da nossa fé quando provocados?

Não é a toa que hoje se ouve dizer com frequência que nós, católicos, precisamos voltar aos fundamentos da nossa fé católica, ao básico do nosso Catecismo, aos mandamentos de Deus, à Sagrada Escritura, ao Magistério da Igreja, aos Sacramentos, às verdades sobre Jesus, a Igreja e o ser humano, à oração, à liturgia, aos sacramentos, à devoção a Maria e aos Santos. É por isso que a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) publicou, em 2007, um livro chamado “Sou Católico”, exatamente com a finalidade de nos lembrar os pontos essenciais da nossa fé católica e assim nos ajudar a viver a nossa fé. Esse livrinho, de fácil leitura, está disponível em qualquer livraria católica.

Para falar sobre o básico do básico, podemos nos lembrar de ao menos dois grandes santos. Primeiro, de Santo Agostinho, que resumiu toda a fé e moral no amor. São célebres estas suas palavras: “Ame e faça o que quiser”. Pode-se ver em Agostinho uma síntese da síntese de Jesus no Evangelho de hoje. Segundo, de Santa Teresa d’Ávila, que deixou estas palavras lapidares, resumo de sua experiência mística: “Que nada te perturbe. Que nada te apavore. Tudo passa. Só Deus não muda. A paciência tudo alcança. Quem tem a Deus nada lhe falta. Só Deus basta”.

Veja como o nosso estimado Papa Francisco expressa a sua compreensão mais profunda de Deus. Segundo ele diz, “O nome de Deus é misericórdia”, e também, “A misericórdia é a ‘carteira de identidade’ de Deus”. São Francisco de Assis, inspirador do nosso Papa, em certa ocasião fez a seguinte oração: “Senhor, quem sois vós e quem sou eu? Vós sois o Altíssimo Senhor, Criador do céu e da terra, e eu um simples vermezinho, ínfimo servo vosso”.  Por isso, ele gostava de, constantemente, pedir a Deus: “Dai-me uma fé íntegra, uma esperança firme, uma caridade perfeita! Concedei-me, meu Deus, que eu vos conheça muito, para poder agir sempre segundo os vossos ensinamentos e de acordo com a vossa santíssima vontade”.

Por Dom Caetano Ferrari – Bispo de Bauru

Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
lynda course free download
download micromax firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
free download udemy paid course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.