Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 28/05/2018

Doar-se e partilhar

Na próxima quinta-feira, dia 31 de maio, a Igreja Católica celebra a solenidade litúrgica do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, mais conhecida como Corpus Christi. Ela abre espaço para uma infinidade de reflexões, entre elas, concentro-me na narrativa da instituição da Eucaristia, segundo o evangelista São Marcos 14, 22-24: “Enquanto estavam comendo, Jesus tomou o pão, pronunciou a benção, partiu-o e lhes deu, dizendo: Tomai, isto é o meu corpo. Depois, pegou o cálice, deu graças, passou-o a eles, e todos beberam. E disse-lhes: “Este é o meu sangue da nova Aliança, que é derramado por muitos”. O evangelista São Lucas acrescenta: “Fazei isto em memória de mim” (Lc 22, 19).

Cada vez que a Igreja realiza esta memória está trazendo para o presente a vida, a morte, a ressurreição de Jesus Cristo, tornando-o presente no mundo. Não se trata, porém, de uma simples recordação histórica, informativa para satisfazer a curiosidade. Fazendo a memória dos acontecimentos relacionados a Cristo educa-se o fiel a realizar aquilo que está celebrando desafiando-o a pensar e agir daquela maneira.

Da fala e da atitude de Cristo, no acontecimento da instituição da Eucaristia, evidenciam-se a doação e a partilha. Para os cristãos católicos e todos os que desejarem, poderíamos lançar um olhar sobre o mundo sob estes pontos de vista: doação e partilha. Nunca é demais lembrar que cada um é mundo, é corresponsável por ele. Os ensinamentos de Cristo raramente eram dirigidos a destinatários específicos, por isso são ensinamentos válidos para todos.

O dicionário tentando definir o verbo doar fala em transmitir gratuitamente, consagrar-se, dedicar-se, devotar-se, dar-se. Na definição aparece claramente um duplo sentido: dar algo externo, ou seja, um bem, uma coisa e o outro sentido é dar-se. Jesus falou claramente que estava se dando: isto é o meu corpo, isto é o meu sangue. É a oferta de sua vida para dar vida aos favorecidos.

Conseguir com o suor do rosto os meios necessários para ter condições de vida digna para si e dependentes é uma obrigação de cada um. Porém, para consegui-los precisamos dos outros e estabelecemos relações profissionais, comerciais, etc. É preciso estar atento para não transformar todas as relações em comerciais, isto é, tudo deve ser concluído com pagamentos.

Os apelos que constantemente nos vem para doar coisas e doar-se são um santo remédio. As pessoas e a sociedade curadas têm mais vitalidade e alegria. Apelos de trabalhos voluntários em instituições já existentes e em novas que podem ser criadas; doação de sangue e órgãos para quem se enquadra nas condições exigidas; doação de alimentos e roupas não nos deixam indiferentes.

A segunda palavra é partilha, isto é, dividir, repartir. Na Ceia Pascal Jesus tomou o pão, o partiu e distribuiu, e o mesmo fez com o cálice partilhando o vinho. Um gesto que aponta para quem está ao lado e estimula a repartir para manter a unidade. Matematicamente aquele que divide fica com menos, porém considerando outras dimensões da existência humana, a partilha é soma, é mais, é comunhão, é inclusão social, é dignidade de vida.

Por Dom Rodolfo Luís Weber – Arcebispo de Passo Fundo

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
lynda course free download
download redmi firmware
Download Premium WordPress Themes Free
udemy free download

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.