Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 13/09/2018

Dispensando-se da prudência

Segundo São Tomás, a prudência é a condutora das virtudes morais e ele mesmo a define como a “recta ractio agibilium”, “a reta razão no agir”.

Um dos motivos que me levou a escrever essa breve série sobre os pseudo-escrupulosos foi a compreensão para com vários irmãos sacerdotes que ultimamente se têm queixado justamente desse problema.

Um dia desses, um me dizia: “o que eu faço?, um rapaz me mandou um áudio de meia-hora pelo WhatsApp, angustiado por conta de uma questão moral insignificante”. Outro colega me reclamou: “passei quarenta e cinco minutos ao telefone, resolvendo a dúvida moral de uma pessoa, sendo que o caso era de simples solução, mas, quanto mais eu explicava, mais ela complicava”. As reclamações são muitas, desde pessoas que mandam contínuas e longas mensagens pelas redes sociais até aquelas que procuram desesperadamente o padre várias vezes no mesmo dia, sempre com “urgência”.

Um dos agravantes para a situação é que frequentemente encontram pessoas que, ao contrário de as ajudarem a sair desse estado mental, ajudam-nas a aprofundar o problema, alegando que o fulano é de uma sutileza impressionante ou que é de uma capacidade de penetração agudíssima. Por fim, respaldadas por tais orientadores, as criaturas vão se sentindo importantes, especiais, inteligentes, a vaidade se vai inflando e a pessoa vai enlouquecendo, não sem antes enlouquecer meia-dúzia de pessoas, incluído aí o pobre confessor.

Essas pessoas acabam por substituir a prudência pela consulta contínua acerca dos temas mais banais, elevados sempre à categoria de princípios. Dispensam-se de ser prudentes e criam uma dependência ansiosa, perdendo completamente a chance de formar a sua própria razão prática.

São Tomás dizia que a prudência é a “reta razão no agir”. Para mim, este é o primeiro problema. As pessoas não entendem que a moral é uma ciência prática, com uma metodologia prática.

Não adianta estudar moral e não desenvolver a inteligência prática. Dou um exemplo ilustrativo: de pouco adianta você estudar livros de culinária de todos os países e nunca passar um dia na cozinha; no final, você saberá tudo sobre culinária, mas, diante de uma multidão de ingredientes, de um fogão de cinco bocas, de sete panelas, forno, água, microondas e oito convidados cheios de fome você se sentirá perdido e desorientado, vai queimar a comida e colocar tudo a perder, por fim, irão todos para o self-service do shopping.

É isso que acontece com boa parte dos “orientadores” morais e desses falsos escrupulosos. Muitas vezes, por um defeito mental, esses sujeitos são muito teóricos: sabem lidar com livros, mas não com pessoas; tentam formar seres humanos como quem escreve sobre um papel, sem perceberem que o homem não foi criado para se encaixar numa tese, ele precisa praticar o bem entendendo-o profundamente para conseguir perceber que o bem é bom mesmo.

Isso se percebe na própria arquitetura com que São Tomás escreveu a Suma Teologica. As duas partes centrais dessa obra são relativas à moral fundamental (primeira seção da segunda parte) e à moral especial (segunda seção da segunda parte).

Na primeira seção, São Tomás recomeça metodologicamente o seu raciocínio. Partindo da consideração do fim último do homem, ele mostra como para o homem, criatura racional, “é necessário chegar à bem-aventurança por alguns atos”, então, estuda “os atos humanos, afim de que saibamos com que atos se chega à bem-aventurança ou quais impedem o caminho para ela”. Daí parte para a consideração dos princípios destes atos, “primeiro, os princípios intrínsecos; segundo, os princípios extrínsecos. Os princípios intrínsecos são a potência e o hábito”, sendo que os hábitos bons são as virtudes e os maus são os vícios, que lhe são opostos; em seguida, considera “os princípios exteriores dos atos. O princípio exterior que inclina exteriormente ao mal é o diabo. Já o princípio exterior que move exteriormente ao bem é Deus, que nos instrui pela lei e ajuda pela graça”. Aí está toda a arquitetura da primeira seção da segunda parte. A segunda seção tratará de cada uma das virtudes e dos vícios.

Em outras palavras, São Tomás não explica a Teologia Moral através da consideração teórica das leis morais, ele vai à raiz das nossas próprias potências operativas e as enxerga a partir da razão prática, extraindo delas a sua própria orientação racional para o seu bem equivalente, que são as virtudes. Por isso, a prudência é a “reta razão no agir” e não na consideração teórica, pois, para isso, existe a razão especulativa.

Às vezes, vejo alguém especulando sobre a moralidade de uma ação de modo tão teórico que me parece quase irrealizável na prática. A ação só pode ser considerada desse modo a posteriori, fotograficamente, com quem analisa a cena de um filme, a não ser que o agente seja um moralista muito bem treinado. De fato, isso vai muito bem para os confessores, mas não vai bem para praticar ao longo da vida. Ensiná-lo desse modo a calouros não é ajudá-los, mas apenas aumentar a sua insegurança e perplexidade.

Do mesmo modo, treinar as pessoas para raciocinarem a partir das leis, abstratamente, não é formar a sua prudência, mas, de certo modo, impedi-la. Por isso, essas pessoas ficam perplexas e desesperadas, porque não estão aprendendo a ser virtuosas, mas apenas a cumprirem preceitos abstratamente apreendidos.

Por isso, a exposição de São Tomás é à partir das virtudes, porque, diante desse objetivo, fica muito mais claro o fim prático da conduta humana.

Quando se raciocina abstratamente a partir da lei, a mente fica como que em suspense, carente de entender o fundamento racional dessa lei. Por exemplo, quando se raciocina a partir do dever de “honrar os pais” e daí se extraem as obrigações concretas decorrentes, o intelecto se pergunta implicitamente o porquê de “honrar os pais”, buscando o verdadeiro princípio racional que está por trás desse mandamento. A resposta para essa pergunta só pode ser entendida a partir da “razão de virtude” que lhe dá suporte: nós temos para com os nossos pais deveres de justiça que são impagáveis e, por isso, devemos-lhes certa veneração; ora, a formulação positiva desta é o mandamento de honrá-los, a lei.

Notem que São Tomás extrai a lei das virtudes, e não o contrário. Em outras palavras, na medida em que o homem aprende a praticar o bem percebe que este é verdadeiramente bom, ou seja, que é racional, que é lógico, que é lei.

O homem virtuoso não é aquele que simplesmente pratica o bem porque é lícito e evita o mal porque é ilícito, ele realmente é prudente, ele sabe que o bem é bom e o ama.

Quando descreve as partes que integram a prudência (cf. I-II, q. 49), que são como os elementos a partir dos quais ela está construída, São Tomás mostra como ela requer um verdadeiro exercício prático-intelectual: é necessário desenvolver a memória (1) de experiências morais muito bem vividas, sobre as quais a inteligência (2) se aplica para apreender sua lógica profunda, de modo que pela docilidade (3) a pessoa se vá ajustando à realidade e aprenda a ter sagacidade (4), isto é, certa perspicácia moral, e raciocine (5) concretamente sobre suas ações, exercendo previsão (6) sobre as suas consequências, circunspecção (7) para analisar a sua conveniência moral relativamente às circunstâncias e cautela (8) quanto aos possíveis males eventualmente decorrentes de sua ação.

Os pseudo-escrupulosos, ao contrário, não querem pôr a sua cabeça para funcionar, querem um “manual do escoteiro mirim”, querem um gurú que esteja sempre à sua disposição, querem todas as respostas prontas em um livro. O melhor dos mundos para eles seria um aplicativo em que simplesmente perguntariam e obteriam a resposta, sem perceberem que, assim, estariam apenas atrofiando a sua capacidade de ser prudentes.

Os escrupulosos verdadeiros são pessoas incapazes de prudência, e o reconhecem com humildade e docilmente, esses pseudo-escrupulosos, ao contrário, são preguiçosos, inconvenientes, infantis e arrogantes.

Aconselho aos irmãos no sacerdócio que não alimentem nada disso: não atendam a telefonemas intermináveis e não respondam a mensagens inoportunas, não ouçam áudios insuportavelmente gigantes e não leiam mensagens desproporcionalmente longas, atendam no dia marcado, com tempo determinado e não sejam complacentes com este tipo de pessoa. Tratem-nos com firmeza, pois é isso que precisam. No atendimento, não deem a resposta que eles facilmente querem, respondam com outras perguntas, façam-nos pensar, mesmo que seja no tranco, e eles começarão a desenvolver a prudência. Caso contrário, não formaremos adultos virtuosos, mas pessoas psicologicamente frágeis, que não conseguem ter desenvoltura moral, mas apenas aquela honestidade formal, de quem cumpre uma regra e que não sabe responder a uma simples pergunta: “por que você está fazendo isso”?

Por Padre José Eduardo de Oliveira (Via Aleteia)

Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
free download udemy course
download xiomi firmware
Download Premium WordPress Themes Free
lynda course free download

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.