Paróquia São José do Jardim Europa

Notícias › 25/05/2018

Bispos referenciais para o ensino religioso reúnem-se em Brasília

A Comissão para a Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove até hoje, 25, um encontro para refletir e tratar de ações de acompanhamento do Ensino Religioso nos diversos regionais da CNBB e dioceses ao redor do Brasil.

Em setembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439 na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) questionava o modelo de ensino religioso nas escolas públicas do país. Por maioria dos votos (6×5), os ministros entenderam que o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras pode ter natureza confessional, ou seja, vinculados às diversas religiões.

Para o presidente da Comissão da CNBB, Dom João Justino de Medeiros Silva, a proposta do encontro é fazer com que os bispos escutem, conheçam as experiências e possam socializá-las.

O encontro reúne bispos referenciais para o Ensino Religioso e convidados que abordam diferentes reflexões. Uma delas é a professora Maria Beatriz Leal, que falou sobre a experiência do Ensino Religioso plural e confessional no Estado do Rio de Janeiro; o Diretor da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre (RS), padre Marcos Sandrini, que tratou sobre o Ensino Religioso confessional e educação integral e o assessor jurídico-civil da CNBB, Hugo José Cysneiros, que acompanhou de perto o julgamento do STF.

A partir das experiências compartilhadas pelos convidados, Dom João Justino afirmou que ainda há muitos desafios para que de fato o Ensino Religioso confessional possa ser implementado.

“Primeiro devemos compreender o que é o Ensino Religioso, porque há muita incompreensão e pouco diálogo, inclusive entre os próprios atores por causa de correntes diferentes e o segundo ponto seria a formação dos professores”, diz. Para ele, a solução é criar espaços para superar preconceitos e pensar bem o perfil do educador e da sua formação.

Ação conjunta

O arcebispo de Sorocaba, Dom Júlio Endi Akamine, que também faz parte da Comissão e é referencial da Pastoral da Educação disse que seu desejo é não somente acompanhar, mas estar junto das realidades dos regionais da CNBB.

“Não podemos fazer tudo, nem é nossa competência, mas a gente deseja acompanhar e dizer que a gente está junto nesse trabalho tão importante não somente para a evangelização como também para uma construção de uma sociedade de paz em que a escola seja um local de encontro das religiões”, disse. Para ele não é necessário somente fazer uma legislação, mas colocá-la em prática. “Aqui estamos discutindo, vendo as diversas experiências práticas que nós temos e que nos dão uma luz para implementar, para melhorar também o Ensino Religioso”, afirma.

No Brasil, o Ensino Religioso está contemplado na lei 9394/96 de Diretrizes e Base da Educação Nacional. À época a decisão do STF levantou polêmica, sobretudo a de atentar contra a neutralidade do Estado. “É exatamente por ser confessional é que não atenta contra a laicidade do Estado, porque promove o diálogo entre as diversas confissões”, defende Dom Júlio.

Para o bispo, a dificuldade se faz presente quando querem impor a não religião, a proibição de que a religião esteja presente na educação. “Não é possível que em um país como no Brasil ainda há essa diversidade religiosa e a religião não esteja presente na educação, na escola. Que escola é essa que nós queremos construir?, finalizou.

Atualmente o Setor Ensino Religioso da Comissão para a Cultura e Educação da CNBB conta com assessoria do padre Edecildo Prado, da arquidiocese de Belo Horizonte. Ele foi o responsável por organizar o encontro.

Por Canção Nova, com CNBB

Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
free online course
download xiomi firmware
Free Download WordPress Themes
free online course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.