Paróquia São José do Jardim Europa

Artigos › 29/06/2018

A unidade da Igreja

Os cristãos confessam a Igreja una, santa, católica e apostólica. Há desde as origens, a compreensão de que as Igrejas locais – ou dioceses – são, em sua pluralidade, manifestações e concretizações em lugares distintos da única Igreja de Cristo.

Com a difusão da fé cristã foram se estabelecendo comunidades em contextos geográficos, culturais e históricos muito distintos. Esses fatores foram forjando a vida das distintas comunidades, sua pregação, as formas de vida comunitária e cultual, sua identidade doutrinal e confessional.

Ao longo dos séculos, a unidade da Igreja foi se tornando um grande desafio. A comunidade de Roma, ou Igreja de Roma, com seu Bispo, foi se consolidando como referência e garante da unidade. Não faltaram, contudo, cismas, divisões e rupturas motivadas por razões políticas e doutrinais, disciplinares e interesses particulares.

Apesar das divisões acorridas, permanece a convicção de que em Roma se conservam os túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo. Pedro fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou a todos os povos que encontrou o Evangelho da Salvação. Por diferentes meios, os dois congregaram a única família de Cristo.

Os Apóstolos, tendo Pedro como cabeça, são os fundamentos da Igreja de Cristo. Pedro se distingue no seio da comunidade nascente como aquele que tem a primazia. Isso se deve ao fato de ter confessado publicamente que Jesus é o Messias e de condição divina. Tal confissão é o alicerce sobre o qual a Igreja, comunidade de comunidades, está constituída. Por isso, é atribuído a Pedro o poder das chaves (Mt 18,18; 16,19). Sua missão após os eventos da paixão, morte e ressurreição de Jesus, será “confirmar os irmãos na fé” (Lc 22,32), por meio do exercício do ministério pastoral (Jo 21,15-19).

Desde o período pós-apostólico, constatam-se elementos que ligam o apostolado de Pedro, de forma particular, à comunidade de Roma. Por isso, o relacionamento da comunidade de Roma com as demais comunidades que vão se constituindo no tempo é semelhante ao de Pedro com os demais apóstolos.

Na Igreja de Roma está a cátedra de Pedro. Desse modo ela se tornou a garante da tradição apostólica e da unidade disciplinar da Igreja, embora não seja superior às outras comunidades. Na comunhão das comunidades unidas pelo vínculo da fé, a Igreja de Roma possui uma dignidade particular e uma função própria de unidade, da qual não deve esquivar-se e nem deve ser ignorada.

A fé que une todos os batizados ensina que é Deus quem guia e faz crescer a Igreja, isto é, a comunidade de fé. O Evangelho é a força e a vida da Igreja. É ele que a purifica e renova, produzindo frutos onde os fiéis o escutam e acolhem.

A comunidade de fé que possui como fundamento a fé dos apóstolos Pedro e Paulo não é uma associação para fins religiosos ou humanitários. Ela é um corpo vivo, uma comunhão de irmãos e irmãs unidos pela fé no Crucificado-Ressuscitado e seu Evangelho.

Um sinal do cultivo da unidade é a peregrinação que os Bispos, enquanto sucessores dos apóstolos, a cada cinco anos, são exortados a realizar aos túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo, além do encontro com o sucessor de Pedro, o Bispo de Roma. Essa peregrinação tem o objetivo de aumentar o seu sentido de corresponsabilidade como sucessores dos Apóstolos por toda a Igreja e fortalecer a comunhão com o sucessor de Pedro.

Por Dom Jaime Spengler – Arcebispo de Porto Alegre

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
udemy free download
download lenevo firmware
Download WordPress Themes
free download udemy paid course

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.