Paróquia São José do Jardim Europa

Evangelho do dia › 14/06/2018

5ª-feira da 10ª Semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

O Reino se concretiza nas relações cotidianas entre as pessoas. Não pode honrar a Deus quem odeia o próximo. O verdadeiro culto exige compromisso radical com a vida e a reconciliação com os irmãos.

Primeira Leitura: 1 Reis 18,41-46
Leitura do primeiro livro dos Reis – Naqueles dias, 41Elias disse a Acab: “Sobe, come e bebe, porque já ouço o ruído de muita chuva”. 42Enquanto Acab subia para comer e beber, Elias subiu ao cume do Carmelo, prostrou-se por terra e pôs o rosto entre os joelhos. 43E disse ao seu servo: “Sobe e observa na direção do mar”. Ele subiu, observou e disse: “Não há nada”. Elias disse-lhe de novo: “Volta sete vezes”. 44À sétima vez o servo disse: “Eis que sobe do mar uma nuvem, pequena como a mão de um homem”. Então, Elias disse-lhe: “Vai dizer a Acab que prepare o carro e desça, para que a chuva não o detenha”. 45Nesse meio-tempo, o céu cobriu-se de nuvens escuras, soprou o vento e a chuva caiu torrencialmente. Acab subiu para o seu carro e partiu para Jezrael. 46A mão do Senhor esteve sobre Elias; e ele, cingindo os rins, correu adiante de Acab até a entrada de Jezrael. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 64(65)
Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!

Visitais a nossa terra com as chuvas, / e transborda de fartura. / Rios de Deus que vêm do céu derramam águas, / e preparais o nosso trigo. – R.
É assim que preparais a nossa terra: / vós a regais e aplainais, / os seus sulcos com a chuva amoleceis / e abençoais as sementeiras. – R.
O ano todo coroais com vossos dons, † os vossos passos são fecundos; / transborda a fartura onde passais. / Brotam pastos no deserto, / as colinas se enfeitam de alegria. – R.

Evangelho: Mateus 5,20-26
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20“Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no reino dos céus. 21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’. 22Eu, porém, vos digo, todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão ‘patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de tolo será condenado ao fogo do inferno. 23Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar e ali te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa a tua oferta ali, diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta. 25Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26Em verdade eu te digo, dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo”. – Palavra da salvação.

Reflexão:
Como era a justiça dos doutores da Lei e dos fariseus? Consistia em fazer cumprir rigorosamente os preceitos das Escrituras. Era uma justiça fria, calculista, às vezes impiedosa. Exigiam do povo o que eles mesmos não cumpriam. A justiça que Jesus propõe e exige dos discípulos leva em conta a pessoa e seus anseios. A justiça do Reino ultrapassa a simples execução de leis e põe no centro a pessoa: as leis devem estar a serviço da pessoa. Para a glória de Deus. A velha justiça proibia o homicídio, ao passo que a nova justiça persegue o mal até suas raízes secretas no coração, onde nasce a ira, e combate suas menores manifestações, como as expressões de desprezo ou rancor (imbecil, idiota). Assim, o amor fraterno, em gestos de reconciliação, torna fecundo o culto que se presta a Deus.